Os “sons da natureza” de Beethoven

Estamos com um início de semana maravilhosamente musical. Na manhã da terça-feira (21) temos mais uma edição de Concertos para a Juventude, no Teatro Santa Isabel. À noite, haverá apresentação gratuita do pianista Arthur Moreira Lima, no Parque Urbano da Macaxeira, Zona Norte do Recife. E na quarta, também à noite, teremos mais um concerto oficial da temporada, da Orquestra Sinfônica do Recife, no mesmo TSI. Tudo de graça.

Estive recentemente em dos Concertos para a Juventude. O Maestro Marlos Nobre dá uma verdadeira aula de música clássica para crianças e adolescentes. Explica a função de cada instrumento, relata a vida dos compositores, os seus trabalhos mais importantes. Dia desses, levei minha neta Alice, que estava de férias. Ela adorou o “aulão”. Marlos Nobre criou esse projeto, com o objetivo de formar público para música clássica (o que é uma iniciativa louvável, nesses tempos movidos a melodias de  ritmos discutíveis e de grande pobreza poética). A “aula” tem uma hora de duração, quando é executado o repertório que será tocado no dia seguinte, durante apresentação normal para o público. Para levar a meninada, é preciso agendar pelo telefone 3355-3323. A sessão começa às 10h da manhã.

Já o concerto oficial da quarta-feira, 22, está marcado para 20h. Mas o público tem que chegar uma hora antes, para retirar os ingressos gratuitos na bilheteria do teatro. O repertório das duas apresentações começa contando o primeiro capítulo da história da Orquestra Sinfônica do Recife, com uma obra de Vicente Fittipaldi (1904-1985), seu regente inaugural, intitulada Dança Selvagem. Apesar de não ter seguido a carreira de compositor, o Fittipaldi não deixou de lado a composição, tendo escrito algumas obras no decorrer de sua carreira como regente, segundo conta Marlos Nobre.  “A peça que lembraremos é um exemplo de sua filiação ao nacionalismo musical brasileiro, com sua abertura sinfônica de um batuque frenético e brilhantismo cativante”, completa o titular da OSR.

A segunda e última peça do programa preparado pelo maestro para as apresentações será a Sinfonia nº 6 em fá maior, Opus 68 Pastoral, de Ludwig Van Beethoven (1904-1985). Ele explica que a música é uma espécie de pintura sonora em que o compositor captura e ousa recriar os sons da natureza. “Ao longo dos cinco movimentos da composição, Beethoven evoca a placidez de um riacho, o canto dos pássaros, o cintilar dos raios e a força explosiva dos trovões. Depois, a pintura musical é clara a ponto de criar, paulatinamente, a progressiva extinção da tempestade e o clarear da terra após o cataclisma. O quinto e último movimento é um canto de ação de graças, entoado com nobreza de sonoridade exemplar, uma magnífica descrição sonora da reconciliação entre homem e natureza”, descreve  o Maestro.

Leia também:
Barbeiro de Sevilha no Santa Isabel
O lado musical da Revolução de 1817
Muito linda, a versão musical da Revolução de 1817
Música para jovens e adultos de graça

Serviço
Concertos para Juventude
Data: Terça-feira, 21 de agosto
Horário: 10h
Local: Teatro de Santa Isabel (Praça da República, Bairro de Santo Antônio)
Inscrições: 3355-3323

Sexto Concerto Oficial da Temporada 2018 da Orquestra Sinfônica do Recife
Data: Quarta-feira, 22 de agosto
Horário: 20h
Local: Teatro de Santa Isabel (Praça da República, Bairro de Santo Antônio)
Entrada franca. Ingressos distribuídos na bilheteria do teatro, uma hora antes da apresentação
Informações: 3355-3322

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andréa Rego Barros/ Divulgação/ PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *