“Enterrem meu coração na curva do rio”

Enterrem o meu coração na curva do rio. Lembro que da primeira vez que vi a capa desse livro, no século passado, quando o título me chamou a atenção, de tão poético. Na verdade, de poético, a obra não tem nada. Com rigor histórico,  Dee Brown, conta o massacre que os índios sofreram por parte dos colonizadores europeus, no século 19, nos Estados Unidos. O pele vermelha da capa, também me deixava curiosa, com seu ar imponente e ao mesmo tempo triste. Só que nunca o havia lido. Pois dia desses, estava em uma festa da Horta Urbana de Casa Amarela, quando vi um exemplar de segunda mão em uma prateleira. “Quanto é?”, perguntei. “Nada. Pode levar, basta colocar nesse papel o seu nome, telefone e e-mail”.

Claro, peguei logo o livro e trouxe para casa, onde ele aguarda a vez na fileira de leituras mais urgentes. Foi assim que travei conhecimento com o Projeto Um Livro de Coração, da Fundação Joaquim Nabuco, que tem uma editora chamada Massangana. De início, foram colocados 22 títulos da editora, à disposição de quem quisesse, durante o evento Recife do Coração, que a Prefeitura promove, uma vez por mês, no Bairro do Recife. Como havia quem levasse livros para doar, mesmo de outras editoras, eles foram ficando. E quem quer, vai pegando. E foi o que eu fiz. “Institucionalmente, o Projeto foi criado para escoar as publicações da Massangana e democratizar seu estoque”, explica Antônio Magalhães, Coordenador da Editora. “Isso não impede que, durante exposição, as pessoas também possam trocar livros que são entregues pelo público”, explica.

Projeto  Um Livro de Coração doa livros da Editora Massangana e repassa os que recebe, Peguei logo o meu aí da foto.

Meu Enterrem meu coração na curva do rio  que peguei em uma estante, na Horta Urbana de Casa Amarela (foto) está em excelente estado. Foi na festa para comemorar três anos da Horta, e a primeira que o projeto da Fundaj esteve fora do Bairro do Recife. Desde o início do Um Livro de Coração,  já foram doados 2 mil exemplares da Massangana, de acordo com a Fundaj. O livro que peguei não é da Massangana. Foi editado pela Melhoramentos, em 1970. Tem o nome do antigo dono (Luiz Humberto Feijó Costa – Ufpe), e está encapado com um plástico.  Também tem o nome escrito a caneta de uma outra pessoa, ou talvez apelido de Luiz: Bibico. Deixei-o como veio.

O Um Livro de Coração vai ancorar na Fliporto, feira literária que acontece nos dias 10 e 11 de agosto, em Porto de Galinhas, Litoral Sul de Pernambuco. Será uma oportunidade para pegar exemplares como Pernambuco em chamas ou O Triunfo da Moral Burguesa, por exemplo. Veja outros títulos da Massangana, prontos para doações gratuitas a quem se interessar: Cultura do açúcar,  Engenho e arquitetura, Pesquisa Educacional, Outras Áfricas, O fato africano, É tudo mentira, Operação Forrock, A cara da mídia, Viver e morrer no Brasil Holandês, Arredores do Recife, Mulheres e Militares, Contra a Conspiração da Ignorância com a maldade, Caminhando numa cidade de luz e sombras, Benício Dias, Conflito Socioambiental, Teoria da história, Manguezais Aracajuana, Escuridão no fim do túnel, Joaquim Cardoso, Vivencial: Imagens do afeto em tempos de ousadia. A Fundaj não forneceu os nomes dos autores das obras citadas.

Leia também:
Cícero Belmar fala dos seus livros no Rio
Livros e Academia mobilizam escolas
Ação do Sesc já arrecadou 50.000 livros
Alunos fazem livros sobre 20 bairros

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *