Parem de derrubar árvores (124)

Caminhando pelo bairro de Casa Amarela, na Zona Norte do Recife, me defrontei com mais uma vítima de arboricídio. O leitor que me perdoe, se eu estiver cansando por estar batendo na mesma tecla. Mas não consigo ficar calada, diante da matança que a gente observa na nossa  cidade, cada dia mais carente de verde.

Esta (ex) árvore da foto fica na Rua Conselheiro Nabuco, chamada pelos mais antigos de Rua de São João, e que liga a Estrada das Ubaias à Rua da Harmonia. Este tronco guilhotinado foi flagrado na calçada do número 271 (Edifício Flavius), que fica quase defronte da esquina da Rua Antônio de Castro. É impressionante como é cada vez maior a quantidade de cenas que denunciam o massacre das nossas árvores.

O pior é que muitas delas nem ganham reposição,  como é esse caso, no bairro de Casa Amarela. Ou seja, matam as árvores, e deixam  exposta a prova do crime. É muito triste morar em uma cidade onde as árvores são tratadas como criminosas  com pena de condenação à morte. É verdade que algumas enfrentam pragas que se agravam, como a de cupins. Mas os cuidados fitossanitários parecem passar longe do órgão responsável pela arborização de ruas, praças e jardins do Recife. Porque são muitas as denúncias que chegam ao #OxeRecife sobre descaso com as doenças das plantas.  O remédio nunca chega. Quando aparece, é aquele de sempre: a motosserra insana.

Leia também:
Arboricídio vira caixa preta 
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal no Recife 
Exemplos de amor ao verde no Recife
O Recife vai ganhar 2000 árvores
Selva de concreto, árvores e mutirão
Selva de concreto ganha “compensação”

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *