Das árvores, só restou o pó de serra

No último dia 20 de junho, noticiei aqui a degola de duas árvores (Parem de derrubar árvores 119) , ambas na Rua Coronel João do Rego Barros, que liga os bairros de Apipucos e Macaxeira. Uma das vítimas do arboricídio ficava na calçada do Parque Urbano da Macaxeira. A outra, menos de 200 metros depois, na mesma calçada, só que de uma residência vizinha ao Parque.

Na manhã de hoje passei pelo mesmo local. Sabe o que eu vi? Nada. Só o pó de serra espalhado pelo chão, nos dois canteiros. Ou seja, a motosserra insana passou lá, acabou com o que tinha, e nenhuma outra muda de árvore nativa nem de nada foi colocada no lugar, prática que tenho observado com muita, mas muita frequência no Recife, para tristeza de todos nós.

“A galera rema contra a maré. Era bom o prefeito começar a caminhar pelas ruas do Recife, para ver a falta que faz uma árvore”, afirma o leitor Bruno Lopes, pelas redes sociais do #OxeRecife.  E acrescenta: “Ele gosta é de motosserra”. Alguém tem dúvida?  Ainda bem que já tem gente se mexendo no Recife para fazer um mutirão de plantio de árvores. Porque todo mundo está percebendo que, do jeito que está, não dá.

Da árvore que mostramos, já degolada, aqui no dia 19 de junho, vejam o que restou:  só o pó de serra sobre a calçada.

Leia também:
Parem de derrubar  árvores (119)
“Olha pro céu, meu amor”
O Recife vai ganhar 2 mil árvores
“Abaixo o arboricídio insano”
O golpe de misericórdia na árvore
A herança do arboricídio
Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *