Carinho com timbu, primo do canguru

Dia desses, eu estava dirigindo com o rádio ligado. De repente, um ouvinte telefonou para o programa, solicitando que a Prefeitura enviasse uma equipe ao seu bairro para “matar timbus”, porque havia muitos deles em ruas e quintais. Ou seja, tem gente que confunde esse simpático animal com rato, aquele roedor nocivo, que transmite um monte de doenças. O timbu não é rato. É marsupial, primo do canguru. E é um bom semeador, pois dissemina sementes por onde passa. Ou seja, um animal necessário à natureza.

Por esse motivo, dou o maior ponto à técnica em patologia Anna Catarine, 38, que esta semana entregou um filhote da espécie (Didelphis albivientris) à Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh). Carinhosamente chamada de Bichinha, a timbu caiu das costas da mãe, quando o marido de Anna, Luís Carlos, estava realizando manutenção em uma torre de sinal, no bairro do Ibura.

O casal resgatou o animalzinho, alimentou e passou três meses cuidando dele em casa, onde era alimentado com leite, frutas (banana, caqui, morango), papa para bebê e ração de cachorro (na verdade, ele deveria ter só recebido alimentos não industrializados e que poderia encontrar na natureza). Em todo caso, valeram o cuidado e o carinho. “O timbu é muito dócil, assistia TV, passeava no jardim para tomar sol e adorava estar no colo”, conta Anna, referindo-se ao bebê. Ela decidiu entregar o animal por ele ser silvestre, e porque temia que o filhote (uma fêmea) tivesse problemas de saúde devido a algum tipo de alimentação inadequada.  Bichinha foi encaminhada ao Centro de Triagem de Animais Silvestres da Cprh (Cetas Tangara).

Nas minhas caminhadas matinais, de vez em quando me defronto com timbus, inclusive em praças e ruas. Já assisti alguns caindo de árvores. Na Praça de Casa Forte, vi vários filhotes despencando, atacados por abelhas. Eles caíam, subiam na árvore, eram atacados e caíam de novo. Montei “guarda” na Praça para preservar a ninhada, e esperei a chegada da Cprh. Favor não confundir rato com timbu, que é marsupial e semeador. Aqui no #OxeRecife aconteceu uma coisa muito curiosa. O post “Não confunda rato com timbu, que é marsupial e semeador” está até hoje entre os mais procurados pelos leitores. Das três, uma: ou o animal desperta curiosidade por ser primo  distante do canguru (tem bolsa na barriga para carregar filhotes), ou o bicho é muito popular por ser símbolo da torcida do Náutico. Ou então é visto com simpatia por ser bebedor (adora cachaça).

Leia também:
Não confunda rato com timbu, que é marsupial e semeador
Timbu briga com perua por comida
Cuíca aparece em casa em Abreu e Lima
Náutico, timbu e Rio Capibaribe
Respeite o faxineiro da natureza

Texto: Letícia Lins / Recife
Foto: Divulgação/ Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *