Artesanato baratinho no Sítio Trindade

Quem estiver de passagem pelo Sítio Trindade até o próximo dia 30 – para curtir a programação do São João – conta com oferta de adereços, objetos e roupas artesanais. Muita coisa em clima de Copa do Mundo, nas cores verde e amarelo. Outros, coloridos, são ideais para o São João e podem até ser guardados para o carnaval. É só adaptar o adereço a cada festa. Tudo bem baratinho. Comprei um parzinho de sandálias, a R$ 5. Não para os pés, mas para as orelhas, já que eram brinquinhos do tipo pingente. Uma graça, levinhos, sem risco de rasgar a orelha.

São oito barraquinhas, no estande do Programa de Apoio ao desenvolvimento do Artesanato do Recife (Prodarte). O estande fica em frente ao palhoção do concurso de quadrilhas. Há bolsas, calçados, chapéus, roupas customizadas, colares, brincos e até algumas peças decorativas.   O horário de funcionamento é de 17h à meia noite. “Tenho blusinhas, tiaras e chapéus que custam entre 15 e 30 reais, e o preço é bem acessível”, diz a artesão Tereza Cistina Pereira dos Santos. Bem no clima junino, ela usa algodão e chita em suas peças.

Fátima Silva apostou no tema São João na Copa, vendendo adereços femininos, laçarotes e xuxinhas nas cores verde e amarelo. Vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, o Prodarte tem por objetivo fomentar o artesanato do Recife, como meio de geração de renda e de divulgação cultural da cidade. E não só apoia os artesãos, como facilita o acesso dos profissionais a capacitações e feiras (como é o caso da Fenearte). Dei uma volta pelas barracas de comida também. E, como ocorre sempre, faltou criatividade na cozinha.  É um repeteco sem fim: coxinhas, cachorro quente, espetinho, arrumadinho. Comidade milho, quase nada.  Repeteco demais cansa.

Leia também:
Inscrições de artesãos para a Fenearte
Compre a fantasia perto da folia
Presentes natalinos baratinhos
Artesão tem chance no carnaval
Artesanato para o Dia das Mães
Jardim Botânico amplia serviços

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Andréa Rego Barros/ Divulgação/ PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *