Parem de derrubar árvores (119)

Não gostaria de noticiar o massacre de tantas árvores no Recife. Mas a cada dia que caminho pelas nossas ruas, me convenço de que nós estamos vivenciando um verdadeiro arboricídio, que não poupa nem mesmo a calçada de parques, como é o caso do da Macaxeira, que fica na Zona Norte do Recife.

Hoje passei lá, logo cedo, e me deparei com aquela cena horrorosa (foto acima). A árvore – que acaba de virar  um tamborete –  já tinha sofrido uma poda radical em 2017, que a deixou totalmente pelada, com a copa parecendo um amontoado de gravetos. Algumas plantas voltam a brotar depois que isso acontece, mas outras terminam morrendo. Aliás, a grande maioria, pelo que tenho observado. É o caso de mais essa vítima recente, flagrada pelo #OxeRecife.

Poda radical na Rua Coronel João do Rego Barros levou árvore à morte, próximo ao Parque da Macaxeira, Zona Norte.

Achei  o exemplo de arboricídio na  Rua Coronel João do Rego Barros, que liga as avenidas  Dezessete de Agosto e Norte, passando pelo meio do Açude de Apipucos e margeando o Parque da Macaxeira. Pelo visto, a motosserra insana passou lá, deixando seu rastro avassalador. É que em distância não maior do que 200 metros, achei duas degolas.  Somente. E assim: uma pertinho da outra.

Quando caminhei mais um pouco, pela mesma calçada do Parque – no sentido Macaxeira- Apipucos, já próximo ao pequeno girador que há naquela via, me deparo com outro exemplo do descaso com que o verde é tratado no Recife, ao encontrar mais uma árvore mutilada. E pelo visto, essa morreu mesmo. É muito triste morar em uma cidade tão bonita, mas tão mal tratada, e onde sua população não tem o elementar direito de andar ou pedalar sob a sombra das árvores.

Leia também:
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Lei para conter arboricídio
O Recife vai ganhar 2000 árvores 
Exemplos de amor ao verde no Recife
Compensação pela selva de concreto
“Abaixo o arboricídio insano”

Texto e foto: Letícia Lins/ #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *