Obras: População quer ser ouvida

O serviço de requalificação da Avenida Norte vem mesmo dando o que falar. E um dos alvos da crítica é justamente o canteiro central, intransponível para pessoas idosas ou com dificuldade de locomoção. O pedestre que precisa atravessar a via, vindo da BR-101, também tem que andar muito, porque não há sinalização horizontal para a travessia, entre a rodovia federal  e o trecho da avenida, próximo ao Parque Urbano da Macaxeira. Faixa de pedestre por ali? Nem pensar.

Nas redes sociais e em mensagens ao #OxeRecife, não são poucas as pessoas que questionam a obra. “Dependendo do local que o pedestre estiver, pode andar mais de um quilômetro para chegar ao seu ponto final”, reclama Vandson Holanda, Coordenador do Instituto Casa Amarela Saudável e Sustentável (Icass). “Como crianças, cadeirantes, gestantes e idosos vão se deslocar?”, indaga. Afirma que a iluminação central “será para veículos e não para pessoas nas calçadas”.

O #OxeRecife testemunhou a dificuldade do idoso  Aderbal Andrade da Silva, 81, para chegar ao Parque Urbano da Macaxeira. Ele só conseguia descer do canteiro central, apoiando-se em gelos baianos. Para o jornalista Ricardo Carvalho, a obra é “um absurdo urbano, que se faz com a cidade”. Felipe Figueiredo foi outro que tomou um susto, ao ver a dificuldade de idosos em “escalar” o novo canteiro central, apelidado  pelos moradores de muro de Berlim (referência à muralha  de  mais de três metros de altura, que dividia a Alemanha em duas entre 1961 e 1989). O canteiro tem 40 centímetros de altura, bem mais alto que calçadas convencionais.  “As pessoas estão parando o trânsito, para que os idosos possam atravessar”, afirma Felipe. E acrescenta: “Uma senhora se sentou no muro, quase vira na Avenida e funcionários do comércio entraram na pista para ajudar. Isso não é rodovia, mas um absurdo”.

Ciclista e dono de empresa de turismo La Ursa Tours, Roderick Jordão  acha que a obra “virou uma piada” e acusa o poder púboico de, “em se tratando de mobilidade, só faz coisa ruim” no Recife. Leitora do #OxeRecife, Helena Amaral também questiona: “Cadê os técnicos? Tanto dinheiro gasto. É sempre assim”.  As principais reclamações quanto à obra, na Zona Norte são: a altura do canteiro central, a falta de árvores, escassez de faixas e sinalização para pedestre,  iluminação deficiente nas calçadas ao longo dos nove quilômetros de extensão da via. A gritaria está tão grande que em reunião realizada na semana passada, o Icass decidiu pedir à Prefeitura que “os moradores sejam consultados através de suas entidades representativas, antes de um projeto ser executado”. O Icass fez até uma enquete, postando imagens da obra oficial e aqueles com interferências que a população gostaria que fossem feitas. A Prefeitura ainda não se pronunciou sobre as críticas e o serviço segue andando.

Leia também:
O canteiro da discórdia na Av.Norte 
Canteiro sem verde na Av Norte
Cadeirante merece mais respeito
Cadê o respeito aos cadeirantes
Sinalização irracional e poluição visual
Pedestre ainda sofre em Casa Forte

Texto e foto: Letícia Lins/ #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *