Pássaros presos e multa de R$ 94,5 mil

Cena triste essa aí. Setenta e seis pássaros incluindo 22  galos de campina e  dois de espécies em risco de extinção  foram apreendidos em uma residência, no município de Angelim, localizada no Agreste de Pernambuco.

Infelizmente as pessoas ainda alimentam a cultura de que passarinho é para ficar preso na gaiola. No caso, a situação era pior. O “dono” dos animais confirmou que eles seriam destinados à comercialização. Em outras palavras: os bichinhos seriam vítimas de tráfico de animais silvestres. E isso é crime ambiental.

Cícero Serafim da Silva já havia sido detido por porte ilegal de armas e munição, e surpreendeu os policiais, porque tinha gaiolas em praticamente todos os cantos de sua casa. Foram emitidos três autos de infração por crimes ambientais, totalizando R$ 94,5 mil em multas.

Entre os pássaros ameaçados, havia bicudo e pintassilgo do Nordeste. Um terceiro, também em risco, o coleirinho do brejo é comum no Sul. Entre as espécies encontradas havia galos de campina, tico-ticos, caboclinhos, canários, sanhaçus, curiós entre outros. As aves já estão no Centro de  Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco, o Cetas Tangará (da Cprh). Posteriormente, serão devolvidos à natureza, de onde nunca deveriam ter saído.

Leia também:
Canários da terra apreendidos
Quase 6.000 aves resgatadas em 2017
Policial militar devolve papagaio
Cprh desmonta rinhas de galos de briga
Hoje é dia de tucano?
Oferta de R$ 500 por gavião bebê

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *