Mata queimada expulsa tamanduá

A constante devastação das matas vem impondo um preço alto aos animais silvestres de Paulista, na nossa Região Metropolitana. A mais recente vítima é esse tamanduá-de-colete (Tamandua tetradactyla), que vinha sendo criado há sete meses por uma moradora do bairro de Engenho Maranguape, naquele município, localizado a 17 quilômetros  do Recife.

Ele foi encontrado com poucas semanas de vida, depois de uma queimada em área de mata. Um  rapaz o resgatou, salvando-o do fogo. Não se sabe o que aconteceu aos pais do animal. Depois, o mamífero foi  “adotado” por um casal, que cuidou dele por cinco meses. Gaetano Russo e a esposa, Maria Daniele dos Ramos, fizeram a entrega do filhote na Agência Estadual do Meio Ambiente.

O fofinho foi encaminhado para o Centro de Triagem de Animais Silvestres da Cprh, que fica no bairro da Guabiraba, Zona Norte do Recife. Posteriormente, será reintroduzido à natureza.  O casal disse que o tamanduá estava “tomando corpo”, e que os dois então decidiram pesquisar qual seria o melhor destino para o animal. “Se a gente morasse   em um sítio, para que ele ficasse solto, talvez até quisesse ficar com o bichinho”, disse Maria. O #OxeRecife já denunciou várias vezes a destruição de retalhos verdes que sobraram da Mata Atlântica, em Paulista, a 16 quilômetros do Recife.

Leia também:
Verde em risco em Paulista
Matas estão sumindo em Paulista
Mais matas devastadas em Paulista
Mata do Frio é desmatada
Pau de jangada sobrevive na marra
Solange e Kátia salvam iguanas
Iguanas fogem de matas devastadas
Ecoparque das Paineiras dividido
Mata de  pau de jangada destruída
Fruteiras rareiam na mata devastada
Paulista ganha árvores nativas
Vila Sumaré precisa de socorro

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Foto: Cprh/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *