Quati, iguana, cobra e coruja no asfalto

Dou nota dez, quando sei de pessoas que acham bichinhos silvestres no meio das ruas ou perdidos, longe das matas, e que tomam a iniciativa não de prendê-los, mas sim de encaminhar os animais a locais adequados para que, depois, sejam reintroduzidos à natureza. Entre os dias 6 e 8, foram nada menos de quatro casos:  um quati, uma iguana, um mergulhão e uma corujinha foram levados à Agência Estadual do Meio Ambiente, a Cprh, a quem cabe legalmente cuidar deles.

Os quatro já se encontram no Centro de Triagem de Animais Silvestres, o Cetas Tangara, que fica no bairro da Guabiraba, Zona Norte do Recife. Ali, terão suas vidas preservadas. O quati (Nasua nasua) é aquele bichinho buliçoso e que adora um perfume (o perfume está para ele, como a cachaça para o timbu). Ele foi achado na comunidade Fernando Lyra, que fica em Caruaru, a 130 quilômetros do Recife. Vai ver que o quati não achou comida no mato, e foi procurar no asfalto.

Essa gracinha de coruja foi achada na praia de Piedade, no município de Jaboatão dos Guararapes, Região Metropolitana.

Segundo os moradores, ele estaria comendo algumas calopsitas da vizinhança, que acionaram a Prefeitura. Quem trouxe o animal para a Cprh foi o biólogo Basílio Soares Maciel, que trabalha na Prefeitura de Caruaru. A coruja-da-igreja  (Tyto furcata) foi encontrada no domingo (6) por moradores do Conjunto Dom Helder Câmara, em Piedade, Jaboatão dos Guararapes. A população chegou a alimentar a ave.

A Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Jaboatão prontificou-se a realizar o resgate, mas a equipe da Trilogiabio cumpriu a tarefa. A Trilogiabio trabalha com resgate de animais, e presta serviços à Cprh. O mergulhão (Tachybaptus dominicius)  foi recolhido pela Cprh em um condomínio da praia de Conceição, em Paulista. Ele estava  no terraço de uma das casas de um privê que se situa próximo à PE-22 e a um manguezal, de onde o animal, ainda jovem pode ter vindo. E a iguana (Iguana iguana) apareceu nos jardins da Associação de Fornecedores de Cana, na Imbiribeira, Zona Sul do Recife, sendo também resgatada pela Triologiabio. A destruição de nossas matas talvez esteja provocando esse fenômeno: animais deixam o mato, em busca de comida. Nesta semana, as redes sociais mostraram uma cobra que invadiu um quintal no Ipsep e … comeu o pato de uma moradora que estava no quintal. Felizmente, o Cipoma levou a serpente para o Cetas.

Leia também:
Pedreiro salva capivara
Sérgio: seis horas para salvar sagui
Solange e Kátia salvam iguanas
Pintor ameaçado salvo por Edivânia
Longa viagem para salvar raposas

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Cprh/ Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *