Amor à natureza rende prêmio

Destinado a pessoas físicas ou jurídicas que desenvolvem ações de destaque em defesa do meio ambiente, o Prêmio Vasconcelos Sobrinho conta, agora, com três novas categorias: Inovação Tecnológica, Saúde Ambiental e Meio Ambiente na Lente, esta última para fotógrafos. O Prêmio foi instituído em 1990, em homenagem ao ambientalista João de Vasconcelos Sobrinho (1908-1989), um dos pioneiros na área de estudos ambientais no Brasil e que no século passado já denunciava a vulnerabilidade do Rio São Francisco.

O  prêmio foi instituído  pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco, através da Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh). As inscrições estão abertas até o dia 18 de maio e só podem ser feitas pela Internet. Todas as informações necessárias podem ser feitas acessando no portal da Agência (www.cprh.pe.gov.br). O Prêmio tanto  contempla projetos desenvolvidos em escolas e universidades e ações realizadas por prefeituras, empresas, quanto por organizações comunitárias e não governamentais. Além de reportagens e iniciativas de pessoas jurídicas voltadas para o tema.

As doze categorias contempladas para a edição 2018 são as seguintes: Responsabilidade Ambiental, Personalidade do Meio Ambiente, Projetos e Práticas Educacionais Ensino Fundamental I, II e Médio, Projetos e Práticas do Ensino Superior, Iniciativa Comunitária, Destaque Municipal, Imprensa, Destaque Empresarial, Bem-estar Animal, Inovação Tecnológica, Saúde Ambiental e Meio Ambiente na Lente. O processo de inscrição é feito apenas pelo portal. O anúncio dos vencedores será em junho, mês dedicado ao Meio Ambiente.

A solenidade de entrega fará parte da programação alusiva a 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, que a Cprh realizará em conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), algumas em parcerias também com escolas e instituições públicas e privadas. No ano passado, houve premiação para pessoas físicas, que fizeram esforço pessoal para salvar algum animal, como foi o caso do soldado PM Romel Santos de Miranda, que viajou de Sairé ao Recife, para salvar  filhotes de raposa, cuja mãe foi alvo de caça ou de alguma alma sebosa.  Ele entregou os bebês à Cprh,  depois de viajar 135 quilômetros. Temia que as raposinhas, sem leite materno, morressem de fome. Os filhotes, ainda são crianças, e estão sob cuidados do Cetas Tangara, da Cprh.

Leia também:
Longa viagem para salvar raposas
Pintor ameaçado salvo por Edivânia
Sérgio: seis horas para salvar sagui
Pedreiro salva capivara empurrando carro de mão
Solange e Kátia salvam iguanas
Maldades e bondades com os bichos

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto:  Divulgação/ Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *