Brasil Sonoro no Recife. E de graça.

Maior projeto de circulação musical do país – e que completa duas décadas em 2018 – o Sonora Brasil contabiliza importante saldo: 5.726 apresentações de 85 grupos, assistidas por mais de 600 mil espectadores em 150 cidades. Em 2018, o Sonora Brasil passará por 97 municípios, com 372 concertos.  O projeto, capitaneado pelo Sesc, terá sua programação nacional lançada no Recife, nesta semana. Para marcar a deflagração do Sonora,  dois eventos foram programados para a nossa cidade. Um, na Zona Norte .  E o outro, na Zona Sul.

Na quinta-feira (26/4) teremos uma exposição inédita, Experiência Sonora Brasil, na Galeria do Sesc Casa Amarela, Zona Norte do Recife. A mostra foi organizada em quatro linhas de abordagem: tradição, criação, recriação e expressão. E traz imagens de grupos e concertos realizados desde a concepção do projeto, em 1998. A vernissage começa às 19h, e terá participações locais do Quarteto de Violões Tapioca de Shark  e do Mestre Nado, com seu Projeto Som de Barro. O Quarteto é do Recife. Já Mestre Nado mora em Olinda.

Coco de Tebei, de Tacaratu (Sertão de Pernambuco) é uma das atrações do Brasil Sonoro, no sábado à noite.

No sábado (28), apresentam-se dois grupos. O primeiro é a Banda União Josefense, do município de São José, Santa Catarina . A outra é Coco de Tebei, da cidade sertaneja de Tacaratu, Pernambuco. O local das apresentações é o Teatro Barreto Júnior, no bairro do Pina, Zona Sul do Recife. Para os dois eventos, a entrada é gratuita. Integrando a programação do Sonora Brasil desde o ano passado, os dois grupos representam, cada um, as abordagens temáticas do projeto para o biênio 2017/2018.

Ou seja: Na pisada dos cocos (que este ano circula pelas regiões do Centro-Oeste, Sul e Sudeste)  e Bandas de música: formações e repertório (que passa pelo Norte e Nordeste).  Democratizar a cultura é isso: abrir espaço para aqueles que pouco têm, divulgando o seu trabalho por esse país imenso, que é o Brasil. Vamos, pois ver a União Josefense (com músicos de terno, na foto) e o Coco de Tebei  (na foto, casais dançando).  Tacaratu é conhecida como a terra da fabricação artesanal de mantas e redes. É, também, a terra do forrozeiro Josildo Sá. O Tebei, não conheço não. Mas deve ser bom, esse Coco. Vamos lá?

Leia também:
Sesc reverencia Paulo Leminsky
Ação do Sesc já arrecadou 50.000 livros
Cícero Belmar fala dos seus livros no Rio
Ilustrações de livros infantis no Sesc
Capiba das Artes no Sesc 
Sesc prorroga expô Mão Molenga
A saga dos santos resgatados
A epifania dos pífanos no Arraial
“O dia em que a morte sambou”

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto:  Danilo Galvão e Danillo Barreto /Divulgação/ Sesc

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.