Pabllo Moreno, do baião ao blues

Dizem que filho de peixe é peixinho. Mas peixinho também vira peixe grande. É o caso de Pabllo Moreno Barbosa Magalhães que, aos 27, prepara-se para subir ao palco do Conservatório Pernambucano de Música para uma apresentação gratuita do seu mais recente trabalho, aliás, totalmente autoral, o Blues e Baião. O show ocorre no próximo dia 4 de maio, às 19h30, quando o jovem músico apresentará, também, canções do seu próximo CD.

Pabllo Moreno (na foto, ao centro) vem de uma família que ama a música. Mas apenas três decidiram seguir a profissão: o próprio Pabllo (composição, voz e violão), o seu pai (João Neto) e um tio (Ananias Júnior), este integrando a banda do forrozeiro Maciel Melo. João Neto (de óculos, na foto) é  guitarrista, e já acompanhou muitos cantores famosos, como Elba Ramalho, Belchior, Paulo Diniz, Fafá de Belém. Mas foi com Dominguinhos que ele mais a relação profissional mais prolongada, acompanhando o forrozeiro de 2001 até sua última apresentação. E é ele que responde pela direção musical do primeiro CD do filho.

“A influência do meu  pai no meu trabalho e na minha vocação é primordial, pois meu contato com a música deve-se a ele, em todos os aspectos”, afirma o jovem artista, que se orgulha de ter iniciado a sua história aos oito anos de idade, quando a família morava em São Paulo. Ali, o pai tinha uma banda chamada Maracamangue, na qual o garoto tocava alfaia e outros instrumentos percussivos. Com o fim da banda, o então adolescente ficou um tempo afastado da música, para dedicar-se aos estudos.

E também ao futebol, outra grande paixão. Mas a carreira nos estádios não deu certo. Não era a praia de Pabllo, com certeza. Não demorou muito e descobriu que a sua vocação não era mesmo correr atrás da bola. “Percebi que a música falava mais alto”, diz Pabllo. Então, decidiu dedicar-se com afinco, agora profissionalmente, à carreira de compositor e cantor.  Desde os 18, ele trabalha na divulgação de sua música, inclusive já tendo participado de três festivais em São Paulo, um no Paraná e outro na Bahia. Vamos, pois, conhecer melhor o trabalho desse jovem artista. Como vocês observam, Pabllo tem um bom motivo para ser quem, aqui no #OxeRecife.

Leia também:
Dupla divina: Marisa Monte e Paulinho
Trio revive Bossa Nova no RioMar
A sambista na terra do frevo
Dupla movida a frevo e samba
Dia da Marrom: Alcione na Zona Sul
“Panela do Jazz” movimenta Poço
Sangue Negro e boa música
Aurora Instrumental começa com Spok

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *