Selva de concreto ganha “compensação”

O plantio das 2000 árvores ofertadas pela iniciativa privada começou hoje no bairro do Recife. E teve início pela Avenida Militar, aquela que passa em frente ao Terminal Marítimo de Passageiros e que vai até a Fortaleza do Brum. Foram implantadas 46 mudas nos passeios da via, segundo informa a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife.  A ação marca o início de projeto de recuperação da cobertura verde da cidade, e deverá se estender às regiões onde já se constata a existência das chamadas ilhas de calor.

Essa ação, no entanto, nada tem a ver com as árvores degoladas em parques, jardins e ruas do Recife, situação que levou o #OxeRecife a desencadear a campanha #ParemDeDerrubarÁrvores. A iniciativa de hoje é resultante de parceria da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-PE) e  Prefeitura. E tem por objetivo compensar as árvores suprimidas na construção de condomínios, espigões e outros empreendimentos das incorporadoras, empresas que praticamente exterminaram com os verdes quintais do Recife, áreas antes repletas de fruteiras. E que hoje se transformaram em selva de concreto.

Plantio de mudas de 2000 árvores começou pela Avenida Militar e pela Alfredo Lisboa, no Bairro do Recife.

O secretário de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente, Bruno Schwambach, informa que a ação vai durar quatro meses e beneficia as regiões mais áridas da cidade. “Antes, na hora de fazer empreendimentos, as árvores eram suprimidas e replantadas de forma aleatória”. E explica: “Agora, fizemos um levantamento de onde a cidade mais precisava, as maiores zonas de calor e os locais de fluxo intenso. Elaboramos os projetos para o replantio nessas áreas prioritárias e conseguimos, junto com a Ademi, fazer essa articulação com as construtoras para realizar os plantios concentrados”.  Para o presidente da Ademi-PE, Gildo Vilaça Filho, a parceria chega em boa hora. “ A burocracia (para plantar) é muito menor em um projeto único para várias empresas. Antes, cada uma tinha que fazer um projeto para tramitar dentro da secretaria. Agora, com um projeto único, a burocracia é muito menor e custo é menor, pois em vez de negociar 5 ou 10 mudas, negocia-se mil”.

O projeto prioriza o uso de espécies pertencentes ao bioma da Mata Atlântica. O Bairro do Recife, por exemplo, ganhou mudas de Ipê Amarelo, Ipê Roxo, Ipê Rosa e Caraibeira. As plantas são de médio e grande porte e apresentam, em média, dois metros de altura. “A escolha das espécies e o tamanho das mudas visa aumentar o índice de sucesso do plantio, além de evitar a depredação”, informa Bruno. Segundo a Prefeitura, a expectativa é que, em três anos, algumas dessas árvores já comecem a florescer.  Pela parceria, serão beneficiadas 12 áreas públicas da cidade, como canteiros centrais, refúgios, praças e passeios.  “O objetivo é que a ação amplie a cobertura verde das localidades, proporcionando beleza paisagística e a criação de microclimas para amenizar as altas temperaturas e combater as ilhas de calor”, informa, em nota, aquela pasta. Resta saber quando a Prefeitura dá início à reposição das árvores que sucumbiram à motosserra insana e cuja soma de vítimas já configura a existência de arboricídio no Recife.

Leia também:
Recife vai ganhar 2000 árvores
Adiado plantio próximo ao Forte do Brum
Compensação pela selva de concreto
Compensação pelo arboricídio
“Parem de derrubar árvores”
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Sai dessa noia plantando árvores 

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Letícia Lins (edifícios) e Daniel Tavares / Divulgação /PCR (plantio)

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *