Reforço para proteção de matas

O Estado de Pernambuco administra 83 unidades de conservação da natureza, sendo 40 de proteção integral e 43, de uso sustentável. Já o Recife conta com 25, geridas pela gestão municipal.  Destas, pelo menos cinco UCNs possuem interseções com outras seis áreas de proteção estabelecidas pelo governo do estado. Para evitar desperdício de trabalho e somar esforços, a Secretaria de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco acabam de fechar parceria para atuação conjunta nas UCNs Beberibe, Dois Unidos, Dois Irmãos, Matas do Curado e Engenho Uchoa.

Assim, a Prefeitura do Recife e o Governo do Estado vão compartilhar informações, equipamentos e até realizar trabalhos em conjunto para definir os usos das Unidades de Conservação da Natureza na capital pernambucana. O termo de cooperação técnica foi assinado esta semana entre o secretário de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Recife (Bruno Schwambach), o secretário Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Carlos André Cavalcanti) e o presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente – Cprh (Eduardo Elvino). A notícia pode parecer animadora, nesses tempos de arboricidio e ação de motosserra insana tão intensa no Recife. Pelo menos as matas, ganham mais uma garantia.

“A ideia da cooperação técnica é fazer um trabalho único, com as equipes atuando em conjunto para determinar o uso correto e o desenvolvimento sustentável dessas áreas. Dispomos de equipe própria, mas vamos contar com o know-how, os técnicos e os estudos que a CPRH e a Semas têm para produzir um trabalho muito melhor”, detalhou o secretário Bruno Schwambach. De acordo com ele, as informações serão usadas no desenvolvimento dos Planos de Manejos dos maciços verdes, que representam cerca de 40% do território da cidade.

Segundo a Prefeitura, a expectativa é que a integração entre os órgãos ambientais no compartilhamento de dados e na realização de trabalhos gere uma compatibilização de finalidades, restrições e uso das áreas. A iniciativa também deve servir de modelo para outros municípios do estado. “O acordo vai nos permitir a introdução de inovações na metodologia, ganhar escala e sobretudo enfrentar o desafio que é fazer a gestão de Unidades de Conservação. Esse acordo passa a ser um instrumento de política pública que integra o Estado e o Recife e ao mesmo tempo dá condições de oferecer a outros municípios essa inovação de metodologia. Estamos muito animados de trabalhar de forma integrada e de obter resultados em curto espaço de tempo”, afirmou o secretário Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Carlos André Cavalcanti. A parceria tem duração de 24 meses.

Leia também:
Recife vai ganhar 2000 árvores
Desmatamento em “pulmão” do Recife
Mata Atlântica ganha seis aliados
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Desmatamentos ilegais em Aldeia
Novos desmatamentos em Aldeia
Compensação pela selva de concreto

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação/ Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *