Grafite estimula empreendedorismo

Ferramenta poderosa para enfrentar o vandalismo – pichações em muros, repartições, pontes, prédios públicos – o grafite  também abre chance de empreendedorismo. No Recife, ele já está na sala de aula. Ou melhor, nos colégios municipais. Nos dias 7, 8 e 9 de março, a vez é das escolas Dom Bosco (Jardim São Paulo) e Florestan Fernandes (Ibura).  Sessenta alunos das duas unidades terão oficinas com os artistas de rua Ítalo (Coletivo Mundo Paralelo) e José Clayton, o Carbonel (do Coletivo Mangue Crew).

Cada oficina oferece 30 vagas. E o objetivo é despertar a consciência dos alunos e também estimular vocações para a arte de rua, e até a busca pela profissionalização. A iniciativa é da Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer, que publicou edital convocando artistas para a empreitada, através do Projeto Colorindo o Recife. “Vamos levar a arte urbana e o conhecimento de técnicas do grafite para as unidades de ensino, como forma de fomentar o protagonismo estudantil na inclusão social e no empreendedorismo”, diz Ana Paula Vilaça, titular da Seturel.

Na semana passada, aconteceram duas oficinas em escolas localizadas no bairro de Caxangá, Zona Oeste do Recife. O bom disso tudo é que as oficinas não se limitam ao ensino de como pintar paredes. Pois os estudantes têm aulas teóricas com assuntos como Grafite: Arte ou Cultura? Ou Movimento Cultural Hip Hop, seus elementos e história. Ainda aprenderão sobre violência, sociedade, opressão, preconceitos, direitos civis, ética e principalmente cultura da paz. Também aprenderão como transformar o grafite em empreendedorismo. Os jovens beneficiados têm entre 13 e 15 anos.

Para Ítalo a iniciativa é muito importante para os adolescentes e até podem lhes mostrar caminhos no mercado. “É cada dia maior o número de estabelecimentos que solicitam grafites, até mesmo lojas.  Se eles tomam gosto, podem se profissionalizar”, diz ele. “As oficinas chegam em momento em que o estudante se torna mais crítico, mas também mais consciente do seu papel, e a ação pode ajudá-los a buscar consciência e esclarecer as dúvidas que acontecem com essa idade”, completa. Para o artista, a iniciativa vai ajudar aos jovens quanto ao uso da arte de rua para o empreendedorismo”. Nas oficinas, tanto a parte prática quanto a teórica, são ministradas pelos artistas selecionados para a empreitada.

Leia também:
As vacas do sucesso no Olha! Recife
CowParade: vandalismo ou preconceito?
CowParade, arte de rua e missão social
Grafitagem inibe pichadores no Recife
Grafitagem contra o vandalismo
Colorido “degradê” na Ponte do Pina
O Recife está mais colorido
Campos de concentração urbanos
Alunos fazem livros sobre 20 bairros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação/ PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *