Rolling Stones lembrados no Espinheiro

Uma coisa tem a ver com outra.  Lembram da The Rolling Stones, a banda  formada no início dos anos 60 do século passado, e que tornou-se uma das mais aclamadas do mundo? Em tradução livre, o que vem a ser o nome da banda? Pedras rolando, não é mesmo? No Recife, outras pedras – na verdade, pérolas do repertório dos músicos britânicos – também vão rolar na tarde do sábado com o show Sísifos toca Rolling Stones, que acontece no Armazém Centenário, a partir das 16h de 24 de fevereiro.

Sísifos é o nome de uma banda aqui do Recife formada por advogados, professores, psicólogo, publicitário,  muito conceituados em suas respectivas profissões em Pernambuco. Alguns deles famosos até no País. Todos  foram um dia “um garoto que, como eu, amava os Beatles e os Rolling Stones” (Os Incríveis, 1967, recordam?). Voltando aos pernambucanos, pelo visto, amavam mais os Rolling Stones do que os Beatles. Tanto que formaram o grupo, que transita pelo repertório de todas as fases dos 50 anos de estrada do famoso conjunto britânico.

Banda Sísifos cultua The Rolling Stones, mas nome vem da mitologia grega que tem a ver com as pedras rolando.

Por que esse nome Sísifos, que, à primeira vista, nos lembra  nossos livros de História Antiga e não os maiores mitos do rock do século 20? Tudo a ver, também. Isso porque, na mitologia grega, Sísifo foi condenado a empurrar uma pedra até o cume de uma montanha. Mas toda vez que chegava perto de  concluir a missão, a pedra rolava e Sísifo tinha que recomeçar tudo de novo.  “O nome é justamente pelo mito, pedras que rolam”, diz  Maia. Viagem aos mitos da Grécia Antiga à parte,  as “stones” vão rolar  nesse sábado. E por um longo caminho, que inclui desde sucessos mais recentes até aqueles da década de 60 do século passado, quando os Rolling Stones deram início a uma das carreiras de sucesso mais estrondoso do rock no mundo.

A formação da Sísifos é a seguinte: João Maurício Adeodato e Pedro Parini (guitarras); Lucas Batista (teclado); Alexandre da Maia (bateria); Betinho Borges (baixo); e Japa Cordel (vocal). Detalhe: Alexandre  e Adeodato são professores de Direito da Universidade Federal de Pernambuco. Alexandre da Maia, aliás, é coordenador do curso na FDR. Adeodato, hoje aposentado, é uma das maiores autoridades em Filosofia do Direito no País, e foi inclusive orientador do Mestrado e Doutorado de Da Maia. Lucas Batista é  advogado. Japa é publicitário. E Betinho, psicólogo e empresário. Amanhã, eles esquecem salas de aula, consultórios, escritórios. E mergulham no rock. Com direito  a pedras, ou melhor, pérolas musicais como Connection e Safistaction.

Leia também:
Recordando os velhos carnavais
Relíquia achada na Faculdade de Direito
Faculdade de Direito comemora história
Os 190 anos da Faculdade de Direito
Direito, memória, pau-brasil e violino
Uma radiografia da FDR
As guardiãs de 190 anos de memória
Luciana Grassano ganha homenagem
Visitas guiadas fazem sucesso na FDR 
Encenações, violino e rosas na FDR
Sugestão para o Olha! Recife

Serviço:
Sísifos toca Rolling Stones
Quando: Sábado, 24, às 16h
Onde: Armazém Centenário, Rua Barão de Itamaracá, 10, Espinheiro

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *