Grafitagem contra o vandalismo

O grafite tem se revelado uma ferramenta poderosa contra o vandalismo. No Recife é comum observar-se áreas pichadas ao lado de grafitagens intactas, em espaços públicos da nossa cidade. Um exemplo é o Parque da Macaxeira,  que fica na Zona Norte. Ali, as paredes da antiga fábrica têxtil estão emporcalhadas. A única que não tem pichação é justamente a grafitada. Então, viva a arte urbana. Até porque alegra pontes, muros, viadutos, prédios degradados.

A partir dessa quinta-feira, alunos de escolas públicas do Recife vão participar de oficinas desse universo, através do Programa Colorindo o Recife, instituído pela Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer. Só não entendo porque, sendo nas escolas, o motivo desta não estar vinculada à Secretaria de Educação. Até porque seria uma forma de discutir questões como a cidadania e como contribuir por uma cidade melhor e mais humana em sala de aula.

Informa a Seturel, no entanto, que além das práticas, os estudantes vão conhecer um pouco do universo do grafite com aulas teóricas, que abordam temas como: Grafitti: Arte ou Cultura? Movimento Cultural Hip Hop, seus elementos e história; Sociedade: Violência, Opressão, Preconceito, Direitos civis, Ética; Cultura de Paz, Raça e Prevenção às drogas; Periferia, Favela ou Comunidade; Grafitti empreendedor: portfolio, currículo, redes sociais, fotografia; Patrimônio Público e Privado; Desenho: Camadas e Formas. Então, tá.

Quinze unidades de ensino serão beneficiadas, e as técnicas de grafite serão usadas como formas de inclusão social e desenvolver empreendedorismo. As primeiras que recebem as oficinas ficam em Caxangá, Zona Oeste do Recife. As oficinas acontecem nessa quinta e amanhã. E cada qual oferta 25 vagas. Com as oficinas, 15 espaços do Recife ganharão novas cores. Em 2017, o tema do ano letivo no Recife  é Ler para sonhar, escrever para criar.  O tema é muito interessante, vamos ver como vai ser desenvolvido e como pode-se fazer um link com o grafite.  As escolas municipais, aliás, já têm um trabalho excelente na área da produção de livros, através do Projeto Interagindo com a História do Seu Bairro, executado pelo Programa Manuel Bandeira de Formação de Leitores (em parceria com a Fundação Joaquim Nabuco).  Através dele, escolas públicas já escreveram ou reescreveram a história de 20 bairros do Recife.

Leia também:
Grafitagem inibe pichadores no Recife
Colorido “degradê” na Ponte do Pina
O Recife está mais colorido
Campos de concentração urbanos
Alunos fazem livros sobre 20 bairros

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *