O reencontro do Maestro com a polícia

Muito legal a homenagem que o Bloco O Camburão, da Polícia Militar, fez ao Maestro Israel de França, um pernambucano residente na Espanha cuja história orgulha e emociona a todos nós. Também muito legal a iniciativa do músico, em participar da folia dos PMs, recebendo a homenagem, em Olinda. Mostra que não existe ranço por desentendimentos do passado. Para os que não lembram: Israel, hoje um músico consagrado, sofreu preconceito de policiais na infância, quando chegou a ser preso sob suspeita de ter furtado um violino.

Na verdade, aos 17, já era um aluno aplicado de música e corria para pegar um coletivo, quando foi surpreendido por dois policiais que o levaram para a delegacia de Olinda.  Negro e pobre – cresceu em Peixinhos, um bairro popular – ele foi tratado com desprezo e até ironia, na delegacia. Diante do desafio oferecido pelos policiais, para que provasse que não roubara o instrumento, o então adolescente não hesitou: tirou o violino da malinha preta e executou Bach para o delegado ouvir. E o fez com o capricho dos mestres.

No último domingo, durante o desfile do Camburão, Israel subiu com seu violino em dos trios do bloco dos PMs, para retribuir a homenagem que lhe foi feita pelos policiais. Disse sentir uma sensação “diferente” ao ser lembrado por uma instituição que representa “segurança”. E confessou: “uma honra para mim”. Honra para Pernambuco, ter um filho como Israel, que hoje reside em Granada (Espanha), onde é regente da Orquestra Sinfônica. E uma chance para que policiais aprendam a tratar sem desdém os verdadeiros cidadãos, independente da roupa ou da cor.

Em Pernambuco – onde está em férias –  deu início a um outro sonho: dividir com crianças e adolescentes, de origem tão humilde quanto a dele, os conhecimentos sobre a música clássica. Aliás, a viver dela. Como ele. Para isso, fundou uma instituição em Olinda, que andou parada por falta de apoio, mas que ele promete transformar em escola para jovens carentes do Loteamento Tamandaré, localizado em Peixinhos. Em suas redes sociais, comenta: “Agradeço a Deus pelas provações que passei, que só me deram forças para seguir adiante com esse lindo projeto”. Vejam o vídeo abaixo, quando ele executava o frevo Vassourinhas, durante carnaval no Recife, onde também tocou Beethoven, em plena folia, durante concentração da Troça Nóis Sofre Mais Nóis Goza, no Recife. Viva o Maestro. Israel de França é quem, é gente.

Leia também: 
Frevo com Beethoven no Nóis Sofre
Violino no Nóis Sofre Mais Nóis Goza
A única mestra de Maracatu
Encenações, violino e rosas na FDR

Texto, foto e vídeo: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *