Paulista ganha árvores nativas

Finalmente uma notícia boa, em se tratando de Paulista, de onde só chegam notícias de matas devastadas aqui no #OxeRecife, que nos obrigam a estender da Capital até aquele outro município da Região Metropolitana o nosso apelo de sempre, Parem de derrubar árvores.  A novidade positiva é que a Estação Ecológica de Caetés vai ganhar um reforço na sua cobertura vegetal: o plantio de 410 árvores nativas, a ser concluído no prazo de dois anos, naquela Unidade de Conservação (UC).

Acordo para projeto de reflorestamento nesse sentido foi assinado entre a Agência Estadual do Meio Ambiente (Cprh) e a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf). O projeto será executado pela empresa Cerne Ambiental, de Chapecó (SC). Ela foi a vencedora de licitação específica da Chesf. Os recursos de R$ 185 mil serão provenientes da compensação ambiental, devido à instalação de nova linha de transmissão da Chesf (subestação Mirueira2).

Paulista vai ganhar 410 árvores nativas, mas não se aproximam do tamanho da devastação observada nas suas matas. 

Os detalhes foram apresentados à Cprh, pouco antes do carnaval, por técnicos da Chesf e da Cerne, que se comprometem a assegurar a sobrevivência das 410 árvores. Também são metas estabelecidas no projeto: estudo e preparação do solo, para que fique apto a segurar indivíduos florestais; monitoramento e manutenção dos mesmos, reativação do viveiro florestal da UC; produção de mudas de diferentes espécies e estágios.

O tempo de execução do projeto é de dois anos, mas pode ser estendido por mais dois, dependendo do monitoramento. A Esec Caetés tem 157 hectares, e foi criada nos anos 1980, após mobilização contra a implantação no local de um aterro sanitário. Que de sanitário só tinha o nome. Era lixão mesmo. Remanescente da Mata Atlântica, a Estação tem entre os seus objetivos a preservação dos ecossistemas, a realização de pesquisas científicas sobre fauna e flora e educação ambiental conservacionista..

Leia também:

Conhecendo a Mata Atlântica
Verde em risco em Paulista
Mata do Frio é devastada
Não deixe a Mata Atlântica se acabar
Matas estão sumindo em Paulista
Fruteiras rareiam em mata devastada

Iguanas fogem de matas devastadas
Mata de pau-de-jangada destruída
Pau-de-jangada sobrevive na marra

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Divulgação/Cprh e cortesia de leitor

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *