É frevooooooooooooooooooooooooo

É hoooooooooooooooooooooooooooje. Como faço todos os anos, antes de qualquer coisa, marco presença no Bloco Nem Sempre Lili Toca Flauta que, este ano, pela primeira vez, faz sua concentração na Praça no Arsenal. Antes era no Pátio de São Pedro, depois no Mercado da Boa Vista e, por fim, no Pátio de Santa Cruz, em frente ao Bar Lisbela e o Prisioneiro. Agora, com a mudança, vai ficar mais fácil cair de vez na folia. Porque tudo é perto. E aí, é lá e lô. E vamos aqui falar não só de um bloco, mas da beleza que é o carnaval, a maior festa popular do Recife, que promete brilhar, e muito, nessa sexta-feira, Dia do Frevo, que hoje completa 111 anos.

E ao contrário do que ocorria antes sob a batuta do saudoso Naná Vasconcelos  – quando os maracatus abriam o carnaval com seus batuques – em 2018, os tambores e alfaias cedem lugar ao frevo. Freeevoooo, Freeevooo, como costuma gritar a multidão, pedindo execução do nosso alucinante ritmo, que hoje tem o dia todo dedicado a ele. A festa oficial tem início às 18h, com concentração na Rua da Moeda, de onde sai o Arrastão do Frevo, comandado pelo Maestro Ademir Araújo. Às 19h30, tem abertura oficial do carnaval do Recife com o espetáculo Frevo Para o Mundo, que foi criado pela Secretaria de Cultura e Quinteto Violado, que também participa da festa.

A intenção é mostrar o frevo de várias gerações, inclusive os seus primórdios, já que ele derivou da capoeira. Como sabemos, o frevo não nasceu nos salões aristocráticos, mas sim no meio da rua, entre o povão. E é por esse motivo que ele é tão bom.  O espetáculo, que retorna à orgem do frevo, tem por esse motivo exibição de capoeira também, com o Mestre Meia Noite. No musical, desfilam astros do nosso ritmo que vão de orquestras com seus poderosos metais, a multiartistas como Antônio Nóbrega. O frevo vai ser mostrado sob diversas formas, com Maestro Spok, Maestro Forró, Banda de Pau e Corda, André Rio, Almir Rouche, Marrom Brasileiro, Quinteto Violado.

O espetáculo também inclui apresentações de blocos de pau e corda. Serão pelo menos treze que subirão no palco, entre eles Madeiras do Rosarinho, Bloco das Flores, da Saudade, Pierroto de São José. Ou seja, frevo de todos os gêneros.   Vai ter Nena Queiroga, Jota Michiles, que são os homenageados do Carnaval 2018. Eles cantam com convidados, como Elba Ramalho, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Flor de Mandacaru e Luiza Possi . Todos participam da festa de abertura, que termina com um novo arrastão pelo Recife Antigo, com o frevo Vassourinhas varrendo o furacão de foliões.

Leia também:
Afoxés e maracatus no Marco Zero
Compre a fantasia perto da folia
O frevo inclusivo de Werison
Arsenal tem 18 tribos de caboclinhos

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Foto: Divulgação/PCR

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *