O frevo inclusivo de Werison

Nesse tempo de carnaval, de frevo e de disposição para fazer o passo, um registro para Werison Fidélis, criador da Inclusão Cia de Dança, primeira companhia profissional de frevo composta por pessoas com deficiência. “Tudo começou quando fui convidado a dar aula a deficientes na Escola Ulysses Pernambucano, há cerca de nove anos”, conta Fidélis. E acrescenta: “Lá, tive a oportunidade de criar uma metodologia de ensino de dança para que alunos com diversas deficiências pudessem fazer as aulas”.

Lembra que muitos dos alunos não participavam das aulas porque as mães tinham receio que se machucassem. Algumas nem mesmo acreditavam na potencialidade dos filhos. Hoje, além da Companhia, ele dá aulas inclusivas na Escola de Frevo do Recife. “Atualmente, dou aulas de frevo a 12 crianças deficientes, só na Escola de Frevo do Recife, e sempre estimulo a participação delas em concursos de passistas, de Rei e Rainha do Carnaval”, comemora. Conta que alunos especiais precisam de mais atenção e dedicação que as demais, ressaltando que “aprendem  rápido e são muito criativos e amorosos”.  E acrescenta: “Quero que a sociedade as enxergue artisticamente, e o Carnaval é uma vitrine ótima para mostrar esses talentos.”.

“Percebi que minha filha evoluiu muito com as aulas de dança. Ficou mais social e comunicativa. O frevo é o esporte dela, a única atividade física que gosta de fazer. Ano passado, participou do concurso de Rainha do Carnaval e, desde que começou a dançar, participa do concurso de passista. Essas oportunidades são muito importantes. Precisamos lembrar que há pessoas que podem não aprender a ler ou escrever, mas, podem aprender uma arte, uma dança outra formas de expressão e até de profissionalização”, comenta Etiene Leandro.

Etiene é mãe de Nataly, 28 anos, aluna de Werison. Semana passada, quando o procurei, ele estava embarcando com o pequeno David José, de sete anos. David não tem nenhuma síndrome ou deficiência, mas apesar da pouca idade já é um senhor passista. Tanto que estava embarcando ontem, ao lado da mãe e do professor, para se apresentar no Programa de Fátima Bernardes. De volta ao Recife, conversei com esse tão especial professor de dança, que está inclusive mobilizando jovens com Síndrome de Down para que também caiam no passo, durante o carnaval. Vejam onde e quando se apresenta a Inclusão Cia De Dança no carnaval: Dia 12 de fevereiro, às 16h30 no Parque Santana e a 13 de fevereiro, no Parque da Jaqueira. O horário é o mesmo do dia anterior: 16h30m. Werison é gente, é quem.

Leia também:
Renata Tarub: dança e inclusão social
Carnaval inclusivo no Recife Antigo
Carnaval sem barreiras em Boa Viagem
Bruno é exemplo para todos
Bruno: exemplo a ser seguido

Texto: Letícia Lins/ #OxeRecife
Foto: Divulgação/ Inclusão Companhia de Dança

Compartilhe

2 comentários

  1. Professor Werison Fidélis é um ser humano encantador , somos muito gratos a ele pelo carinho e dedicação a nossa pequena Maria Beatriz que renasceu do frevo, uma criança que sofre de hipertensão severa onde passava mais tempo hospitalizada do que em seu próprio lar…hoje graças as aulas de frevo na Escola de frevo do Recife com o professor Pinho( Werison) assim conhecido pelas crianças ,voltou a ter uma vida normal,ainda com seus limites claro e em tratamento…mas cheia de vontade de viver e garra de realizar seus sonhos…então para nossa filha o frevo é muito mais que um ritmo ,muito mais que cultura,O frevo para ela é vida… obrigada professor WERISON POR TODO AMOR E DEDICAÇÃO.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *