Parem de derrubar árvores (94)

Tinha uma pedra no meio do caminho. Mas por baixo, havia um toquinho. Olhem bem para a foto acima. Estão vendo uma pedra? Pois sob a pedra tem um cadáver insepulto, o de uma árvore, vítima da motosserra insana. Encontrei mas essa na caminhada matinal, quando o sol ainda está gostoso e saudável.

Gente, desculpem, mas não consigo parar. O que é que eu posso fazer, se a cada caminhada, me deparo com um toco nas ruas, calçadas e praças. Como o povo costuma dizer, nada como “matar a cobra e mostrar o pau”. Todos os casos de arboricídio denunciados no #OxeRecife estão documentados, com fotografia, endereço e  pequeno histórico.

Portanto, não há como se negar a matança. Esta da foto fica na Avenida Dezessete de Agosto, na calçada do Conjunto Jardim Carioca, bem pertinho da Praça de Casa Forte. É realmente uma tristeza se caminhar em uma cidade onde há um toco em cada esquina. Em um Recife de temperatura tão quente, como fica a situação de pedestres e ciclistas? Assim, com sombras cada vez menores, não dá.

Leia também:

População acusa arboricídio no Recife
Arboricídio vira caixa preta
Lei para conter arboricídio
Compensação pelo arboricídio
Parem de derrubar árvores (45)
Parem de derrubar árvores (56)
Parem de derrubar árvores (54)
Parem de derrubar árvores (66)

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *