Ervas sagradas ganham sementeira

Depois de realizar o Primeiro Encontro de Bezendores, Benzedeiras, Rezadores, Rezadeiras, Raizeiros, Raizeiras e Parteiras da Região do Semi-Árido, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) acaba de implantar a primeira Sementeira de Ervas Sagradas e Medicinais em espaço público do País. A sementeira fica no Parque Estadual Dois Irmãos, na Zona Norte do Recife. Foram plantadas 48 mudas de ervas como arnica, alfazema, alecrim, colônia, liamba, erva lancete, entre outras. As plantas irão se reproduzir em espaço reservado dentro Pedi, e em breve poderão ser distribuídas. Participaram do plantio representantes de diversas religiões de origem africana. A iniciativa tem como objetivo preservar e estimular o estudo e a divulgação da importância de plantas consideradas sagradas e medicinais para o meio ambiente e para a religiosidade.  O titular da Semas, Sérgio Xavier, participou do plantio, em meio a cânticos e rituais afro.

“Essas ervas representam um rico patrimônio imaterial que as religiões de matrizes africanas possuem e colocá-las em uma Sementeira, em espaço público, é difundir o conhecimento para o acesso de todos”, afirma a Gerente de Comunidades Tradicionais da Semas, Bernadete Lopes.  “Toda iniciativa que apoia o povo de Axé é importante, mas gostaria de saber quais os verdadeiros motivos da Sementeira. Não estou desqualificando o ato, mas queria entender melhor o seu significado, até porque as lideranças de Pernambuco têm alianças políticas com representantes de igrejas evangélicas”, afirma Alexandre L´Omi L´Odò, sacerdote, juremeiro, um dos fundadores do Quilombo Cultural Malunguinho e Mestre em Jurema pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).“Nós, do movimento social de base, sempre lutamos por uma sementeira sagrada, e nunca conseguimos”, diz. E acrescenta: “Acho estranho ter sido implantada só agora, perto do período eleitoral”.

Titular da Semas, Sérgio Xavier, participa de plantio de ervas sagradas, em Dois Irmãos.

​Em novembro a Semas realizou 1º Encontro de Benzedores, Benzedeiras, Rezadores, Rezadeiras, Raizeiros, Raizeiras e Parteiras da Região do Semiárido de Pernambuco , em Floresta, quando foi  implantado o Nascedouro de Ervas Sagradas e Medicinais naquele município sertanejo, localizado a 439 quilômetros do Recife. Durante o encontro, foram debatidos assuntos como o estímulo à participação de movimentos sociais com conhecimento do uso de plantas medicinais nos Conselhos de Saúde.

Também foi abordada a ampliação a discussão sobre a importância da conservação ambiental na cadeia produtiva, assim como o incentivo à participação popular na criação de hortas de espécies medicinais nativas da Caatinga. Uma das propostas do encontro também foi estimular a economia verde, com a utilização de recursos naturais da Caatinga para desenvolver remédios, biocombustíveis, entre outros produtos que contribuam para gerar economia e desenvolvimento social para essas comunidades. Os participantes do encontro elaboraram um documento com sugestões e propostas, a Carta de Floresta, que traz entre as recomendações o incentivo a pesquisa para validação do uso de plantas medicinais para transformá-los em fitoterápicos a serem utilizados no Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia também:

Cultura negra valorizada na escola
Escola Cândido Duarte luta contra racismo ambiental
Parque Dois Irmãos triplica de tamanho
Veja a flora do Sertão em Dois Irmãos
Conhecendo a Mata Atlântica
Vai sair a reforma do Chalé do Prata
Alexandre: juremeiro e mestre
Kipupa Malunguinho movimenta Catucá
“Mexeu com a natureza, mexeu comigo”

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Divulgação/Semas

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.