Mata Atlântica ganha seis aliados

Tido como o bioma mais ameaçado do Brasil – restam menos de dez por cento da vegetação original – a Mata Atlântica já conta, pelo menos, com seis municípios pernambucanos que criaram seus planos municipais para conservação e recuperação desse patrimônio verde, que começou a ser degradado pelos colonizadores, já no século 16. E que continua sofrendo, ainda hoje, o impacto provocado pelo avanço de indústrias, condomínios, ocupações irregulares, abertura de estradas, pela especulação imobiliária. É só dar uma voltinha no Grande Recife – principalmente em Paulista e na Capital – para se ter dimensão da bagaceira.

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade e a Agência Estadual de Meio Ambiente (Cprh), Bonito, Glória de Goitá, Carpina, Paudalho, Vicência e Timbaúba, já contam, cada qual, com seu Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica. O Pmma é uma exigência da Lei 11.428/ 2006, que dispõe sobre utilização e proteção da vegetação nativa daquele importante e tão castigado bioma. Timbaúba lançou o seu plano nesta semana, em cerimônia na Câmara Municipal.

O que resta da Mata Atlântica garante a sobrevivência de alguns mananciais. Sem a mata, rios e afluentes correm risco.

E tinha que lançar mesmo. De acordo com diagnóstico efetuado em estudos para definir as intervenções necessárias,  só restam 19,73 por cento da vegetação nativa do município. Timbaúba fica a 98 quilômetros do Recife, em região marcada durante muito tempo pela monocultura da cana de açúcar, uma das atividades responsáveis pela destruição da Mata Atlântica.  “O documento vai auxiliar as tomadas de decisão do poder público municipal, e também será um instrumento voltado para a educação ambiental”, disse Jennifer Berlamino, da Unidade Integrada de Gestão Ambiental (Uiga), de Carpina.

Ela participou da cerimônia de lançamento do Pmma de Timbaúba. Só aquele Pmma demandou nove meses de planejamento. A situação, em alguns municípios, é mais crítica do que em Timbaúba. Em Carpina, por exemplo, só restam 403 hectares de Mata Atlântica, 2,7 por cento da área nativa. Em compensação, Paudalho ainda conta com 5.607 hectares, 20 por cento da mata original. Agora, é ter o maior cuidado, para que a motosserra insana não faça por lá o mesmo estrago que anda fazendo nas ruas do Recife, onde as árvores vêm se transformando em vítimas de arboricídio.

Leia também:

Verde em risco em Paulista
Mais matas devastadas em Paulista
Fruteiras rareiam em mata devastada
Madeira ilegal fica mais difícil
População acusa arboricídio no Recife
Pulmão protegido no Grande Recife
Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
Arboricídio vira caixa preta
Mata do Frio é devastada
Espinheiro quer túneis verdes

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Júlio Melo e Maurício Sobrinho/Divulgação/Cprh

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.