Arboricídio vira caixa preta

Semana passada, quando estive na Câmara Municipal, em audiência pública para debater a “Arborização do Recife”, não obtive nenhuma resposta para uma pergunta que venho fazendo há algum tempo ás autoridades municipais: Quantas árvores já sofreram “erradicação”  na gestão socialista? Eu julgava que, em se tratando de uma cerimônia séria e oficial, esse número seria revelado. Mas não foi. A conta do arboricídio parece ter se transformado em uma verdadeira caixa preta.

Como não foram fornecidos números que mostrem o tamanho do estrago, em minha apresentação resolvi fazer algumas estimativas. De acordo com os números oficiais, o Recife teria 250 mil árvores. Mostrei, no entanto, que essa quantidade pode não estar atualizada, devido ao arboricídio observado na cidade. Quando trabalhei na Imprensa local, a própria Emlurb havia me dado um balanço dos três primeiros anos de gestão, quando 5.000 árvores haviam sido “erradicadas” no Recife.

Cenas como essas, cada dia mais comuns em nossas ruas, envergonham o Recife, onde há um toco em cada esquina.

Mostrei que se essa prática perdurar nessa velocidade industrial, ao longo de oito anos de gestão, teríamos cerca de 13.300 árvores eliminadas no Recife. Um verdadeiro arboricídio. A própria Emlurb me informou, na época, que no mesmo período, 6 mil mudas plantadas não vingaram nas ruas do Recife (não brotaram, foram vítimas de vandalismo, secaram). Perguntei, então, quanto essas mudas  captariam de C02, caso ficassem adultas.

Me informaram que, como morreram, 216 toneladas anuais de carbono deixariam de ser captadas. Baseada naquele cálculo oficial, pensei: se matamos 13.330 em oito anos, essas vítimas deixarão de captar 489 toneladas anuais de C02.  E aí coloquei: “árvore deixa a paisagem linda, torna nossas cidades mais humanas, mas não é só isso. Elas respondem pelo ar que  respiramos. Ou seja, não são peças decorativas simplesmente. Eu, você, todos nos dela precisamos”, insisti. E lembrei que por falta destas, já são muitas as ilhas de calor no Recife.

E aqui vão uns lembretes, com base em estudos internacionais, já publicados e amplamente divulgados. E também alguns questionamentos do #OxeRecife:

  • Zonas arborizadas têm menos 60 por cento de partículas de poluição
  • Áreas sombreadas reduzem em até dois graus a temperatura no asfalto e em até oito no interior de um carro. Façam o teste, deixe um carro fechado sob o sol e depois na sombra. Confira as temperaturas.
  • Uma árvore grande e eficiente pode fazer por dia o efeito de 10 aparelhos de ar condicionado funcionando 20 horas por dia.
  • Uma árvore adulta pode absorver mais de 3 mil litros de água da chuva
  • Árvores adultas conseguem captar mais gás carbônico do que jovens
  • A pergunta que não quer calar: quantas árvores foram erradicadas na gestão socialista no Recife?
  • Quantas reposições foram feitas nas covas das vítimas de arboricídio?
  • Qual o percentual de sobrevivência de mudas plantadas em praças, ruas e jardins do Recife?
  • Porque o percentual de sobrevivência é tão pequeno?
  • Ganha um ponto quem conseguir responder às cinco últimas questões. Respostas para o #OxeRecife.Leia também:

  • População acusa arboricídio no Recife
    Arboricídio mobiliza Câmara Municipal
    Lei para conter arboricídio
    Compensação pelo arboricídio
    Espinheiro quer túneis verdes
    “Abaixo o arboricídio insano”
    Contra as “clareiras” do Espinheiro 
  • Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *