Você tem fome de quê? De livros

“Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de quê? A gente não quer só comida. A gente quer comida, diversão e arte”. Quem não lembra de Comida, um dos grandes sucesso dos Titâs? Tudo a ver com uma pichação em um colégio em Casa Forte, Zona Norte do Recife, em foto que me foi enviada pelo colega e fotógrafo Alexandre Albuquerque.

Impossível dissociar a letra da música da mensagem do pichador. “Livro para comida e prato para educação”. Pichação à parte, quem escreveu essa frase no muro da Escola Estadual José Vilela, que fica na Estrado do Encanamento, deve saber do que estava falando. Ou seja, comer, devorar livros é mais do que necessário. É devorando-os que a gente aprende tudo que precisa, até a viver melhor.

Colégio José Vilela tem muros pichados, pedindo “livro para comida” e “educação no prato”. Pichação criativa e curiosa.

Afinal, são eles que nos mostram o caminho de tantas coisas, não é mesmo? Pelo menos, para mim. Um dia, um garoto que veio na minha casa assustou-se com a minha biblioteca (que nem é assim tão grande). Ele perguntou: “Já leu todos esses livros?”. E eu respondi: “Tudo que sou e sei devo a eles”. O menino não me perguntou mais nada.

Livro sim, para comer. No sentido figurado, claro. A frase no muro da escola chamou a atenção de Alexandre. “Em uma época em que livro está tão fora de moda, alunos de uma escola pública com esse tipo de preocupação é louvável”, diz o fotógrafo. Não sabemos se foram os alunos, mas quem fez, sabia o que dizia. “Prato para educação”, deve ser para se “comer” educação também. Caso contrário, ninguém pediria para com ela encher o prato, não é mesmo? Obrigada, Alexandre pelas fotos. Viva aos livros! E Viva a educação! E viva o prato cheio, de livros e educação.

Leia também:

Livros artesanais são destaque em escolas públicas do Recife
J.Borges lança três álbuns inéditos
O Recife e o bê-a-bá do baobá: novo livro para crianças
Aula de história lúdica e divertida
Cultura negra valorizada na escola
Faltam bibliotecas para estudantes 
A menina que salvava livros

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Alexandre Albuquerque / Cortesia

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *