O oásis do Hipódromo

Taí, encontrei, finalmente, uma praça bem cuidada no Recife, onde a norma é o abandono. A maioria tem lixo, bancos quebrados, tocos de árvores (sempre eles), gramado seco ou até inexistente. Não é o caso da Praça Tertuliano Feitosa, mais conhecida como Praça do Hipódromo, onde vou praticamente só uma vez por ano, durante o desfile do Bloco Coroas de Inox, que sai do Bar do Jabuti, bem pertinho do carnaval, quando passa naquele bucólico logradouro.

Estive na Praça do Hipódromo no último domingo, quando o local funcionou como ponto de parada para descanso do Grupo MeninXs de Rua, que    costuma fazer longas caminhadas pelos bairros do Recife há mais de uma década. A Praça está com o gramado verdinho (coisa rara, durante o verão, nos jardins públicos do Recife), não tinha bancos quebrados. Tem vegetação frondosa: amendoeiras, mangueiras, mulungus, palmeiras. A praça possui 12 mil metros quadrados, nos quais constatamos muitos pássaros e ninhos nas árvores.

Também tem laguinho, com uma ponte graciosa, que até lembra os famosos jardins japoneses. É o ponto de convivência mais importante do bairro. Possui academia de ginástica e os banheiros, mesmo sendo em um domingo, estavam limpíssimos. Apesar estarmos em fim de semana, havia um zelador muito cuidadoso no local. Mil perdões ao dedicado funcionário por ter esquecido de lhe perguntar o nome. Os sanitários só não tinham papel higiênico, mas estavam limpos, com água, sem tampas nem portas quebradas. A Praça tem Academia do Recife e aulas gratuitas de frevo, todos os sábados.

O bairro do Hipódromo – principalmente a área no entorno da Praça –  é curioso, pois é uma ilha horizontal, no mar de verticalização do Recife.  Há praças históricas cercadas de edifícios, como é o caso da de Casa Forte. Dizem os antigos, que o nome daquele bairro deve-se a um hipódromo que funcionou ali no século 19, que teria sido construído pela família Lundgren, e cujas atividades se encerraram em 1899. Não sei, no entanto, se essas datas estão corretas, nem se a história é verdadeira.  Andei dando uma olhada na bibliografia do Recife e, em muitos livros, o bairro passa despercebido, o que é uma pena.

Leia também:
Em defesa de nossas praças
“Eça” praça é nossa
Moradores cuidam da Praça Professor Fleming
Praça do Entroncamento virou exemplo de manutenção
Praças viram terra de ninguém no Recife

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

2 comentários

  1. Pça. Tertuliano Feitosa, jurista, prefeito de Olinda, fundador da OAB, grande nome do TJPE. Meu bisavô. A área do bairro do Hipódromo era um engenho de sua propriedade.

    1. Que bom, Antônio. Obrigada pela lição de história. Deviam botar uma placa lá contando tudo isso. A Praça me pareceu bem cuidada, tendo em vista o “padrão” das outras localizadas no Recife.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *