Teatro, circo e dança de graça no Sesc

Hoje tem espetáculo, sim senhor. Na véspera do feriado, a décima edição da Mostra Capiba das Artes oferece uma “overdose” de encenações simultâneas, no Sesc Casa Amarela. São sete solos, nas áreas de  dança (dois),  circo (quatro) e teatro (uma), que prometem divertir, e muito, a plateia. Um detalhe: tudo gratuito. A maior parte acontece na área externa daquela unidade do Sesc, que fica na Avenida Norte, 4490, no bairro da Mangabeira, Zona Norte do Recife.

Todas as apresentações têm duração de 15 minutos. E começam a partir das 15h da quarta-feira. De dança, os solos são os seguintes: A Dor de Pierrot – 80 aos pedaços e Na Malandragem do Feminino.  O  primeiro remonta à década de 80, no Recife, e constrói um  novo olhar sobre a obra Dor de Pierrot, criada pelo bailarino Bernot Sanches,em 1984. A apresentação é levada por Gardênia Coleto, criadora e dançarina. O segundo, tendo como dançarina e criadora Rebeca Gondim, e discute o corpo da mulher no frevo e suas memórias. Espetáculo é resultante de oficinas no Paço do Frevo.

Ana Nogueira, atriz e palhaçaria apresenta “Dona Pequena e os Rolamentos” e comanda mesa de discussão no Sesc.

Na área de circo, serão quatro solos. Uruba e Lilão; Dona Pequena e os Rolamentos; Dança, Maroca; Sema e Contatos Imediatos. Todos sob responsabilidade do Coletivo Violetas da Aurora, que é do Recife. Uruba e Lilão traz a versátil e elegante Fabiana Pirro comandando o espetáculo. Dona Pequena tem criação e atuação de  Ana Nogueira, que repete o mesmo solo encenado no Festival Internacional de Palhaças do Recife. Fabiana e Ana fizeram grande sucesso naquele evento, deram show. Tem, ainda, Dança, Maroca, com Mayra Waquim e Sema e os Contatos Imediatos, com Sílvia Goés. Vale a pena conferir, para conhecer melhor o trabalho dessas meninas palhaças, todas do Recife.

Por fim, o solo O Teatro é necessário?, também com quinze minutos. O solo traz questionamentos de um pai, que  acredita que a Arte não  é o caminho mais adequado para a construção do indivíduo na sociedade. Esse é o único que não ocorre na área externa do Sesc Casa Amarela, mas sim no auditório do Cineclube Coliseu. A atuação é de Celso Sales. Na quarta, ainda, até 17h, haverá uma mesa de discussão com o tema O clow solo: a busca do palhaço no espaço das sensações, com Juliana Almeida e Lívia Falcão. Mediação de Ana Nogueira.

Leia também:

Capiba das Artes no Sesc Casa Amarela
“Altíssimo”, peça polêmica no Sesc
“Véio” Mangaba vira palhaço insone
“Meu nome é Enéas”. Lembram dele?
Jornalista, atriz, palhaça e amiga
Electra no Circo, na João de Barros
Palhaças invadem o Recife

Serviço:
Mostra Capiba das Artes (Solos, Mais ou Menos Quinze Minutos)
O
nde: Sesc Casa Amarela, Avenida Norte, 4490, Mangabeira
Quando: quarta, 13, 15h
Entrada: grátis

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Lana Pinho / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *