Mais proteção para Litoral Sul

Primeiro foi a Mata da Pimenteira, no Sertão. Agora é o Litoral, cujos moradores ganham curso de Formação de Agentes em Educação Ambiental. A região beneficiada é a Área de Proteção Ambiental de Guadalupe, no Litoral Sul de Pernambuco. O curso oferecerá 50 vagas, em duas turmas de 25. Tanto o curso da caatinga quanto o da praia foram viabilizados com recursos de compensação ambiental.O lançamento do projeto será amanhã (14), às 9h, na sede de APA, no município de Tamandaré, a 108 quilômetros do Recife. Na ocasião, será aberto aberto o período de inscrição e anunciados as datas, horários e locais do curso.

A formação será realizada pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH). E também pelo Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan), entidade selecionada por edital público da CPRH (nº 02/2016). Dentro do planejamento, uma oficina de mobilização social foi realizada esta semana, em Tamandaré, pelo Cepan. A prioridade de inscrição será para representantes do Conselho Gestor da APA, e também para moradores de Sirinhaém, Rio Formoso, Barreiros e Tamandaré, municípios que têm áreas compreendidas na APA.

Entre estes, há vagas para professores e representantes de associações e organizações não-governamentais. A formação reforça a promoção do agente ambiental,  no contexto das Unidades de Conservação, com a proposta de desenvolvimento de uma agenda prática. E terá duas etapas: a Fase de Capacitação (teoria) e a Fase de Intervenção (prática). Na primeira, os participantes terão acesso a conteúdos técnicos sobre Conservação da Biodiversidade e Serviços Ambientais, Geotecnologias Aplicadas a Conservação, Gestão e Legislação Ambiental, e a conteúdos sobre fundamentos de Educação Ambiental.

Desta forma , poderão conhecer a UC, reconhecer sua importância, saber os serviços ambientais que ela presta, localizar seu zoneamento e as permissões de uso de cada zona, bem como entender a UC como uma estratégia de conservação à luz da legislação ambiental, e os instrumentos legais existentes para promover a utilização sustentável dessas áreas. Já na Fase de Intervenção, os participantes executarão ações planejadas por eles próprios na etapa de capacitação. Para a construção desse Plano de Ação serão levantados diversos conflitos a serem sanados na UC, visando a organização das ações educativas voltadas para a mitigação destes problemas.

Veja também:

Mata da Pimenteira ganha ação
Aceiros e povo contra o fogo no Sertão
“Pulmão” protegido no Grande Recife
Quase 6 mil aves resgatadas em 2017
Litoral Sul terá área de proteção marinha
Verde em risco em Paulista
Mais matas devastadas em Paulista
Salvem os ipês, por favor
Parem de derrubar árvores (63)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Foto: Cprh / Divulgação

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.