Zoo Noturno Mal Assombrado, ui, ui

Se para comemorar Dia das Bruxas – tradição americana – que seja longe do famigerado Halloween.  O Recife já tem seus personagens fantásticos e eles povoam o imaginário dos pernambucanos há muito tempo. Então, por que ignorá-los? Vejam só alguns deles: Cumadre Fulozinha, Perna Cabeluda, Curupira, Papa Figo, Preto Velho, João Galafoice. Até Branca Dias, figura real da nossa história virou lenda. Dizem que, à noite, sua alma circula pelo Açude do Prata, que fica no Parque Estadual de Dois Irmãos, na Zona Norte do Recife.

Pois a judia, que foi acusada de bruxaria no século 16, é um dos personagens que fazem parte do Zoo Noturno Mal Assombrado, que ocorre na noite dessa sexta-feira, no  Pedi, mais conhecido como o Zoológico de Dois Irmãos. A programação é dupla: inclui passeio para conhecer os animais de hábitos noturnos, enquanto são feitos relatos das principais lendas do folclore e também de assombrações pernambucanas. Dizem os entendidos que o Recife é uma das cidades mais mal assombradas do País. Ui, ui, ui….

Dizem que a lendária Branca Dias circula à noite no belo Açude do Prata, onde teria jogado suas joias, no século 16.

O horto abre as portas a partir das 18h, e o ponto de encontro é em frente ao Museu de História Natural. Até 20h30m, a bilheteria estará vendendo ingressos. A quantidade de saídas – para o roteiro mal assombrado depende do número de visitantes. Isso porque cada turma só sai com 20 pessoas. Portanto, quem tem outro programa noturno, após a excursão, é bom chegar cedo. O preço é R$ 15, para adultos ou crianças. Segundo os funcionários do Pedi, o passeio sobre as assombrações sempre tem demanda muito maior do que os que apenas mostram os hábitos da fauna noturna.

Dos personagens que serão “visitados”, apenas um foi real. Justamente Branca Dias, uma portuguesa que conseguiu driblar a inquisição, ao ser presa em Portugal, depois de ser denunciada pela mãe e pela irmã. Ela era judia, e convenceu o Santo Ofício que necessitava da liberdade, para criar os filhos. Liberada, fugiu com a prole para Pernambuco, em busca do marido, que há anos vivia no Brasil. Aqui chegando, encontra o companheiro com uma amante, um filho e um grande engenho, cujas terras iam de Camaragibe à área onde fica o Parque.  O marido morreu e ela assume o comando da propriedade, onde pratica rituais judaicos. Conta a lenda que  Branca foi considerada bruxa no Brasil e que seria repatriada para Portugal, onde seria condenada. Revoltada, teria jogado baixelas e joias naquele que é hoje o Açude do Prata. No entanto, morreu antes de viajar. Sua vida foi muito bem contada em peça recentemente encenada no Recife, Senhora de engenho, entre a cruz e a torá. Conta a companhia de teatro responsável pela montagem que muitas coisas estranhas aconteciam por trás do palco. Eles acreditam que era a “alma” de Branca Dias.

Leia também:

Cidade assombrada no Olha! Recife
Mais assombração no Olha! Recife
Mistérios do além com Branca Dias
Entre a Torá, o corno e o marido traidor
Saga de Branca Dias volta ao palco
Conhecendo a Mata Atlântica

Serviço:
Zoo Noturno Mal Assombrado
Onde: Parque Estadual de Dois Irmãos, Praça Farias Neves, S/N, Dois Irmãos
Horário: A partir das 18h
Ingresso: R$ 15

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.