Litoral Sul terá área de proteção marinha

Pernambuco já conta com 81 unidades de conservação ambiental e se prepara, agora, para ganhar, ainda este ano, a sua primeira área de proteção exclusivamente marinha no Estado: a Apa Marinha Recifes Serrambi.  A informação é do Secretário Executivo da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Carlos André Cavalcanti, durante conferência na Terceira Semana de Unidades de Conservação em Pernambuco.

A Apa deve se estender por quatro municípios do Litoral Sul, inclusive Ipojuca, onde fica Porto de Galinhas, uma das praias mais procuradas por turistas do Brasil e do exterior. A Apa – cuja proposta de criação vem sendo discutida – deverá abranger o mar territorial que fica defronte dos municípios de Ipojuca, Sirinhaém, Rio Formoso e Tamandaré. A área marinha da Apa terá um total de 84.036 hectares, onde o turismo e a pesca ainda são praticados de forma bastante predatória, inclusive em Porto de Galinhas, onde o acesso aos arrecifes  passou a ser monitorado nessa década, por conta dos prejuízos ambientais nos corais, provocados pelo excesso de pisoteio.

Parte da região onde será criada a Apa já pertence à Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais, que foi criada por decreto federal em 1997. Ela possui cerca de 400 mil hectares de área, e 120 quilômetros de extensão, estendendo-se por doze municípios, dez dos quais ficam em Alagoas. Em Pernambuco, a Apa federal abrange apenas Tamandaré e Barreiros, localizados respectivamente a 108 e 110 quilômetros do Recife.  Pernambuco possui atualmente 81 Unidades de Conservação, distribuídas em 13 categorias. “Estamos trabalhando para que seja criada, ainda este ano, a Apa Marinha Recifes Serrambi, que será a primeira Área de Proteção Ambiental exclusivamente marinha do Estado de Pernambuco”, explicou Carlos André.

Das 81 Unidades de Conservação administradas pelo Estado, 40 são de proteção integral, ou seja, foram criadas com o objetivo de preservar a natureza, sendo admitido apenas o uso indireto dos seus recursos naturais. As outras 41 UCs  são de uso sustentável: onde é possível compatibilizar a conservação da natureza com o uso controlado de parcela de seus recursos naturais. E a unidade mais antiga é a Estação Ecológica de Caetés, que foi criada pelo Governo do Estado em 1987, em  Paulista, município que, infelizmente, vem devastando sem dó o que resta da Mata Atlântica. A Semana de Unidades de Conservação tem programação bem variada e destinada a vários tipos de públicos, que vão de pesquisadores e servidore, a professores e estudantes de escolas públicas e privadas. Além de debates, palestras, a Semana contou com a exposição educativa Animais: eles precisam de nós.

Leia também:

Conservação da natureza em debate
Verde em risco em Paulista
Mais matas devastadas em Paulista
Animais: eles precisam de nós
Mata de pau-de-jangada destruída
Mata linda e preservada em Pernambuco

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *