Poesia e herança árabe no Olha! Recife

O Recife tem presença marcante na obra de poetas como João Cabral de Melo, Manuel Bandeira, Mauro Mota, Carlos Pena Filho, Antônio Maria, Ascenso Ferreira. A cidade é tão cantada em versos que, em 1977, o escritor Edilberto Coutinho publicou o livro Presença Poética do Recife, antologia em que figuram 26 poetas falando sobre nossa cidade. Tenho um exemplar, que guardo com o maior ciúme. Os poetas selecionados vão de Tobias Barreto e Augusto dos Anjos a Ariano Suassuna e Jaci Bezerra. O Recife sempre inspirou a veia poética de nossos escritores. E é justo, portanto, que a cidade lhes preste homenagem.

No próximo domingo, eles integrarão o roteiro do Olha! Recife, que levará as pessoas interessadas a percorrer o chamado Circuito da Poesia. Ao todo, são treze estátuas que ficam no centro, em ruas como a do Bom Jesus, a do Sol, da Aurora, da Moeda, Praça Maciel Pinheiro. Elas possuem tamanho natural, semelhante aos dos escritores e poetas eternizados em bronze ou concreto. Muitos estão no bairro do Recife, como Antônio Maria, Ascenso Ferreira e Chico Science, o criador do manguebeat. O Olha! Recife vai passar, também, por ruas como a Aurora, onde estão dois dos nossos poetas maiores: Manuel Bandeira e João Cabral de Melo Neto. Infelizmente ao lado deste, os visitantes vão se defrontar com uma cena triste: um fícus lindo e antigo, já integrado à paisagem do Recife do qual só sobraram os restos mortais. É que uma motosserra insana passou lá.

Árvore mutilada compromete paisagem em que fica o poeta João Cabral de Melo Neto. Lembram como o ficus era lindo?

Portanto, a beleza da paisagem onde João Cabral fica – local em que as pessoas adoravam fazer selfies – está comprometida, como vocês observam nessa foto. Ficou mais árida.  A árvore, imensa, permanece tombada no local. Parece que por ela passou uma hecatombe. Mas perto da Assembleia Legislativa, também à margem do Rio Capibaribe, está Manuel Bandeira. Essas estátuas já integram o cotidiano das pessoas que andam pelas ruas do Recife. Mas é bom saber um pouco sobre a história de cada um desses personagens. Os participantes vão percorrer, também, a Ponte Maurício de Nassau, Pátio de São Pedro, Praça da Independência e Avenida Guararapes. Na quarta, tem mais. Poucas pessoas sabem que a influência árabe no Recife ajudou a formar alguns pontos turísticos históricos da cidade. Por isso, no passeio a pé da quarta-feira (13) a partir das 14h, os participantes passarão por vários locais no Centro do Recife que contam a passagem deste povo secular por aqui.

“A influência dos povos que por passaram pelo Recife pode ser vista nas construções, na língua ou até mesmo nos costumes. “Com os árabes não é diferente. O uso de azulejos na construção civil,  algumas palavras (Recife, Alcaparras, Azar e Garrafa), o costume de pechinchar nos grandes mercados públicos e o uso de cúpulas são alguns exemplos. O Olha!Recife levará os participantes na próxima quarta para entrar em alguns lugares conhecidos só que com um novo olhar”, informa a Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer do Recife. O roteiro vai passar pela Basílica do Carmo, a Estátua do Mascate, Camboa do Carmo (becos), Ponte da Boa Vista – onde será possível observar cúpula da Casa da Cultura – Rua da Imperatriz, Praça Maciel Pinheiro e o Centro Islâmico na Rua da Glória.  Os dois passeios  oferecem 70 vagas (cada um).  As com inscrições abertas desde quarta-feira, devido ao feriado de 7 de setembro. Elas ainda podem ser feitas no site www.olharecife.com.br.

Serviço:
Olha! Recife a Pé (Domingo)
Dia: 10/09/2017
Hora: 9h
Saída: Praça do Arsenal da Marinha (Posto de Informações Turísticas)

Olha! Recife a Pé (Quarta)
Dia: 13/09
Hora: 14h
Saída: Basílica de Nossa Senhora do Carmo (Av. Dantas Barreto)

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *