Vai sair reforma do Chalé do Prata

Essa informação é para o leitor Messias de Oliveira André, residente no bairro de Dois Irmãos. No dia 11 de abril, fiz uma postagem aqui no #OxeRecife, dizendo que o histórico Chalé do Prata finalmente seria restaurado. A previsão de início das obras era para o final do primeiro semestre. Mas a promessa não aconteceu. Pois, Messias, o trabalho demora, mas sai. E em breve, será publicado edital de  licitação para a reforma. É o que diz o atual Gestor do Parque Estadual de Dois Irmãos, Walter Belossey. É que no serviço público, como você sabe, a burocracia é muito grande. Pelo menos o projeto de recuperação já foi concluído. Só falta sair do papel, até porque os recursos para a obra já estão assegurados. Pelo menos isso.

Como todos os recifenses, Messias quer o chalé bonito e restaurado. Estive lá em abril, com um grupo do Caminhadas Domingueiras, liderado por Francisco Cunha. E há alguns dias, o atento Messias cobrou o desdobramento da informação, já que entramos em agosto, com a edificação do mesmo jeito, caindo aos pedaços. “Quando vão começar as obras, Meu Deus? Eu acho lindo o Açude do Prata, moro praticamente dentro da Mata e até agora, as vezes que vou lá, ainda está tudo abandonado e sem esperança nenhuma de reconstrução”, lamenta, referindo-se ao chalé. E depois, faz um apelo.  “Por favor, não deixe esse patrimônio histórico se acabar”.

É Messias, infelizmente é assim, aqui em Pernambuco e no Recife. O nosso patrimônio arquitetônico e histórico não tem o cuidado que merece, e só aparece algum esforço de restauração quando está tudo caindo aos pedaços.  O Chalé do Prata é a prova disso. Deveria estar em condições perfeitas e bem cuidado. Afinal, ele tem história.  Logo após ter me passado a informação, o antigo gestor do Pedi, George Rego Barros, deixou o cargo. Ao assumir, Belossey fez uma análise do material, mas faltavam os projetos executivos complementares, inclusive o termo de referência de orçamento (TR). Ele disse que, ainda essa semana, a documentação necessária ao processo de licitação ficará pronta. E isso é bom. Lançado o edital, e escolhida a empresa, aí começa-se a obra (não se sabe quando, ainda).

O Chalé fica em um terreno de 3.844 metros quadrados, e tem 232,46 metros quadrados de área construída, sendo 155,16 metros quadrados no pavimento térreo. É um belo exemplar da arquitetura do século 19. Foi construído por ingleses, para implantação no Brasil da Drainage Company Limited. É que aquela empresa chegou ao Recife em 1873, e foi a responsável pelas tubulações que levaram água do Açude do Prata para chafarizes de bairros de Santo Antônio, Boa Vista e São José. Diz Belossey que as estruturas em alvenaria e em concreto do c asarão encontram-se em bom estado, mas que tudo que for de madeira precisa de restauração. O orçamento previsto de R$ 1,6 milhão subiu para R$ 1, 9 milhão. “Os recursos de compensação ambiental já estão na Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade”, diz Belossey. A reconstrução e restauração serão acompanhadas pela Fundarpe. O Chalé é lindo. E fica no meio do que resta da Mata Atlântica, no bairro de Dois Irmãos, Zona Norte do Recife. Vamos torcer pela sua restauração.

Leia também:
Casarão do Açude do Prata  perto da reforma
Conhecendo a Mata Atlântica

Texto e foto: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.