Jardim Secreto a todo vapor no Poço

Muito boa, a iniciativa de um grupo de moradores do bairro de Casa Forte, Poço da Panela, Monteiro, Casa Amarela e adjacências. Eles se organizaram para implantar o Jardim Secreto, em uma área degradada de 3 mil metros quadrados, que fica à margem do Capibaribe, e para a qual dão os fundos edifícios de classe média da localidade. A proposta é transformar a área em um ponto de convivência da comunidade, integrando moradores das duas margens do Rio, para o qual a população do Recife se acostumou a dar as costas. Até agora já foram seis reuniões, todas muito produtivas e com encaminhamentos. A ação é uma iniciativa da Associação dos Moradores e Amigos do Poço da Panela (Amapp), que está a cada dia mais organizada e unida.  Ao último encontro, compareceram arquitetos do Inciti (Pesquisa e Inovação para as Cidades), grupo interdisciplinar da Universidade Federal de Pernambuco.

O Inciti tem como missão conceber soluções colaborativas, para construir cidades inclusivas, sustentáveis e felizes. Seu projeto mais famoso, já encampado pelo poder público é o Parque Capibaribe. Como vocês sabem, essa iniciativa deverá se estender por 30 quilômetros ao longo do Rio, beneficiando 42 bairros. E vem sendo implantada de olho em 2037, quando o Recife completa 500 anos, tentando se tornar uma cidade mais arborizada, mais humana e planejada para as pessoas e não para os automóveis. O marco do início do Parque Capibaribe é o Jardim do Baobá, que já se tornou um ponto de convivência obrigatório da Zona Norte da cidade.

Na implantação do Jardim Secreto, no Poço da Panela, há também resgate da história do bairro.
Na implantação do Jardim Secreto, no Poço da Panela, parte da história do bairro vem sendo descoberta pelos moradores.

Pois o Jardim Secreto, quem sabe, também não o será um dia?  Esforço e ideias não faltam. A área já está com placas, também vai ser isolada com cordas e vem sendo analisada pelos especialistas.  Uma das primeiras iniciativas é tentar evitar que o ponto continue sendo utilizado para descarte de lixo e metralhas.  Também está sendo encaminhado pedido de limpeza da área à Emlurb, assim como iluminação. A operação de limpeza terá participação do grupo. O pedaço vem sendo demarcado, para que a população local comece a se mobilizar sobre a melhor forma de aproveitar espaço tão bucólico e também tão esquecido. Já tem até plaquinhas, que foram fixadas neste final de semana. O trabalho de colocação das placas e pedras demarcando a área foi efetuado por um dos integrantes do grupo, Rômulo Simões Cezar Menezes. Ele contou com a ajuda de moradores e trabalhadores do Poço da Panela, Mané Biu, Índio e Belo.

A área onde fica o jardim é um dos últimos pontos de travessia entre os bairros do Rio Capibaribe no Recife. Há um barquinho na área, que transporta moradores entre uma margem e outra. O Jardim Secreto deverá ser um parque, com horta agroecológica e produção compartilhada de alimentos. O assunto está, também, em discussão. Na Zona Norte já há uma experiência do gênero, em Casa Amarela. Curioso é que alguns fatos sobre a história do local começam a ser descobertos. Por exemplo, a passarela de concreto que foi utilizada como mesa para a última reunião, servia como suporte para dois canos de uma caldeira da Fábrica Liquid Carbonic, que funcionou no local até o início da década de 1970. “Uma cano captava água limpa do rio para limpeza das caldeiras, e outro despejava a água suja da limpeza de volta ao rio”, conta a arquiteta e pesquisadora Fátima Barreto Campelo, depois de conversar com um antigo morador do local.

Leia também:
Em busca do Jardim Secreto

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife
Fotos: Rômulo Menezes e Fátima Barreto Campelo / Cortesia / Jardim Secreto

 

Compartilhe

2 comentários

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.