Casa Forte e casarões em risco

Gente, é bom ficar de olho. Com a cidade cada dia mais descaracterizada e tomada por espigões – inclusive às margens do Rio Capibaribe – convém ficarmos atentos a quatro casarões do bairro de Casa Forte. Eles estão com placas de “aluga-se” ou “vende-se”. E  é aí que mora o perigo, porque muitos dos bonitos imóveis daquele bairro já sucumbiram aos condomínios privados, alguns com muros tão altos que até  lembram presídios.

Bonito chalé onde funcionou a Livraria da Praça está fechado, com placas para alugar.
Bonito chalé onde funcionou a Livraria da Praça está fechado, com placas para alugar: imóvel  lindo e com boa conservação.

Ficar alerta é bom, e eu gosto. Três dos casarões com placas de disponibilidade para aluguel ou venda encontram-se na Avenida Dezessete de Agosto, o principal corredor do bairro. E uma delas está na própria Praça de Casa Forte, o perímetro mais valorizado daquela área.  No caso, o gracioso chalé  cinzento onde funcionava a Livraria da Praça, que mudou-se para outro casarão, felizmente bem conservado. Pois hoje, na minha caminhada, observei o chalé, que fica na frente de um empresarial. Achava que, com a saída da Livraria, o chalé se transformaria em salão de festa, de encontro, ou escritório do prédio que fica praticamente aos fundos do imóvel que serviu como primeira sede da Livraria da Praça.

Sobrado onde funcionou doçaria Amoretto está com placa de vende-se na Avenida Dezessete de Agosto.
Sobrado onde funcionou doçaria Amoretto está com placa de vende-se na Avenida Dezessete de Agosto.

Já na Avenida Dezessete de Agosto há um belo casarão verde, em frente à Padaria Engenho Casa Forte, que está com placa para alugar. A casa é linda, e nela já funcionou uma agência de publicidade. Depois uma clínica. E agora, vazia, a gente não sabe o que vai ser. Como tem um terreno imenso, o temor é que alguma construtora compre o imóvel e o deixe no chão, como é comum ocorrer naquela região. Defronte da Venda de Seu Antônio, onde funcionou uma casa de doces (Amoretto Gourmet) até algumas semanas atrás, também tem uma placa de “vende-se”.

Dá preocupação, ou não dá? De todas a mais detonada fica um pouco depois da Praça de Casa Forte, à direita,  no sentido centro subúrbio. É uma casa como chamam de “porta e janela”, mas com um alpendre lateral. Está toda pichada, e o matagal começa a cobrir o quintal. Há bastante tempo está sem ocupação e foi a primeira das quatro a entrar em disponibilidade para venda ou compra. Faz mais de ano que está desocupada. Felizmente, até o momento, ainda não apareceu ninguém para derrubá-la. E aí, Jota Nogueira, avisa o pessoal, alerta aí no #AntesQueSuma. Antes que elas desapareçam. Porque se sumirem, vai sumir, também, um bom pedaço da tao castigada memória de nossa cidade.

Texto e fotos: Letícia Lins / #OxeRecife

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.