“Parem de derrubar árvores” (10)

Me perdoem por voltar ao assunto. Mas não vai ter jeito não. O problema de destruição indiscriminada de nossas árvores é grave.  O Recife está virando a capital nacional dos toquinhos, e isso começa a mexer com a população. É só dar uma olhadinha nas redes sociais, durante o final de semana, para se ter ideia da bagaceira. No e-mail daqui do Blog #OxeRecife, denúncias também não cessam de chegar. Haymone Neto acusou, via Facebook, a derrubada de mais uma árvore, dessa vez na Rua Antônio Novais, no bairro das Graças.

Geraldo Motosserra acaba com mais uma árvore”, postou, com foto para prova do “crime”, na rede social. Daniel Valença reclama da poda criminosa e alerta, na mesma rede, sobre o destino da nossa cidade. “Em breve, (a capital) vai ficar linda, todas (árvores) em formato de “U” ou de banquinho”, prevê, ao observar o corte radical das plantas de nossas ruas. E diz esperar que reste “algum toquinho para fazer sombra para bicicleta”. E´que de muitas das árvores “podadas”, só sobram dois ou três galhinhos. Em outras, apenas a parte inferior do tronco, como se observa nessas duas fotos enviadas por leitor.

Leitor Leo mostra árvores mutiladas, no Sítio da Trindade: esforço de sobrevivência
Leonardo Bezerra Lemos mostra árvores mutiladas, no Sítio da Trindade: esforço lindo  de sobrevivência. Ele está de olho.

Mariana Pires Santos chama de “desgraça”, o tratamento dispensado às nossas irmãs verdes, que vêm sofrendo tentativas de “assassinato” em série. Revoltado com a situação, já que o corte é oficial nas ruas, Diego Medeiros chama o Prefeito de “Geraldo Mãos de Tesoura”, enquanto outros chamam de Geraldo Motosserra mesmo. O fato é que, felizmente, a população acordou para esse “genocídio oficial”. Afinal, não há cidade com tantos “toquinhos” daquilo que já foram árvores um dia como o Recife. Leitor do #OxeRecife,  Leonardo Bezerra Lemos, envia duas fotos do Sítio da Trindade. Na verdade, de mais duas árvores mutiladas, para compor nosso mapeamento.

As duas vítimas de tentativas  “assassinato”  estão tentando sobreviver. Isto é, se a motosserra não passar lá para “raspar” o que resta de vida. Vejam o que ele diz: “Essas fotos são mais poéticas do que denúncia propriamente dita. Fiquei inspirado com o fato de, onde se derrubou essas árvores, brota vida”. É Leo, a natureza é poderosa, e nossas irmãs verdes insistem, persistem e não desistem. Felizmente. Espero que os órgãos oficiais não as sufoquem de vez, como fizeram na Rua Desembargador Góis Cavalcanti e na Avenida Parnamirim, onde árvores podadas radicalmente, tentavam desabrochar de novo. Mas foram cruelmente eliminadas. Só sobrou o pó de serra na calçada. E nada foi plantado no lugar delas. Peço, portanto, que fique de olho, para que não aconteça a mesma coisa com aquelas duas, cujo golpe de misericórdia foi documentado aqui. O nosso #OxeRecife está computando todas as baixas, com data e endereço. No final do ano, divulga o balanço dos “assassinatos”. Ontem, vi no Poço da Panela, o velho apelo em um muro. “Parem de derrubar árvores”.

Leia também:

Parem de derrubar árvores (6)

Parem de derrubar árvores (5)

Parem de derrubar árvores (4)

Parem de derrubar árvores (3)

Parem de derrubar árvores (2)

Parem de derrubar árvores (1)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife

Fotos: Leonardo B.Lemos / Divulgação / Foto do leitor

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.