Prefeitura diz que recupera calçadas

Para quem está quebrando o pé em calçadas irregulares, a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife informa que a Lei 16.890/2003 determina que a proprietário do imóvel seja o responsável pela construção e manutenção das calçadas da cidade. Mas aí, cabe uma pergunta: cuida nada fiscalizar quem não faz a sua parte?

Vejam só o que dizem alguns dos internautas que acompanham o #OxeRecife. “Realmente, as calçadas do Recife são de quinto mundo. Vivemos em cidade onde o carro é mais importante do que o ser humano. Triste realidade”, diz Wellington Lima. “Imagino a dificuldade de idosos, cadeirantes, deficientes”, comenta Antônio Leão Almeida Filho. “As calçadas do Recife são o Ó”, afirma João Vargas, que morou um tempão em Fortaleza. “Eu e você merecemos calçadas iguais às de Nova Iorque”, ironiza Ana Queiroz.

Essa "calçada", em Apipucos, fica à beira do Açude, e deve ser, portanto, mantida pela Prefeitura.
Enquanto a Zona Sul a orla teve calçadas restauradas, na Zona Norte essa é a situação, ao redor do Açude de Apipucos.

A Emlurb esclarece que à gestão municipal, cabe a recuperação daquelas que ficam em frente a prédios públicos municipais, e ainda as dos canteiros centrais de vias, praças, parques e linhas d´água (rios, canais, riachos, açudes). Nem sempre, no entanto, elas estão em boas condições. “Eu torci o dedo da mão, no final do ano passado, depois de cair em um buraco, em Casa Forte. O Recife não tem a menor preocupação com o pedestre”, diz Juliana Cavalcanti, que tentou se defender de uma queda com as mãos. Na Praça de Casa Forte, onde a calçada deve ser cuidada pelo poder público, a situação é essa: tombo em cima de tombo, porque as pedras portuguesas vivem se soltando, sem recolocação. E em volta do Açude de Apipucos, a paisagem é desoladora.

Em todo caso, a Emlurb informa que desde 2013 vem trabalhando, para melhorar nossos caminhos. “Neste período, foram recuperados 91 quilômetros de calçadas, representando investimento de R$ 17,7 milhões”. De acordo com a Emlurb, as intervenções incluem a instalação de 210 rampas de acessibilidade e colocação de mais de três quilômetros de piso podotátil (faixas com relevo, fixadas no chão, com objetivo de auxiliar a locomoção). Informa ainda a Prefeitura que concluiu a recuperação do calçadão de Boa Viagem, em toda a extensão da orla.

Só ali, o investimento foi de quase R$ 1 milhão, incluindo a requalificação da iluminação. Informa a Emlurb que foram corrigidas as falhas em todos os trechos danificados ao longo do calçadão, com “fechamento de buracos, reposição do piso intertravado e restauração das alegretes (canteiros de árvores)”. Entre outras calçadas já entregues à população do Recife, a Prefeitura cita aquelas de todo o entorno do Parque 13 de Maio, a Jener de Souza (Derby), a Avenida Martins de Barros (Santo Antônio). E ainda intervenções na Boa Vista, Casa Amarela, Várzea, Santo Amaro, Centro.

Leia mais:

Depois daquele tombo (3)

Depois daquele tombo (2)

Calçada pode virar armadilha

Enfim, calçadas boas de se andar

Depois daquele tombo

Depois daquele tombo (1)

Texto e fotos: Letícia Lins

Acesse sempre oxerecife.com.br, o Blog a serviço do Recife e de sua gente.

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.