Parem de derrubar árvores (6)

Em casa, por conta do pé engessado devido a um tombo provocado por calçada irregular – uma das pragas do Recife – me defronto, na manhã de hoje, com outra praga que assola a nossa cidade: a destruição de nossas árvores. Pois mais uma começa a ser “assassinada” na Zona Norte do Recife. O vídeo e foto acabam de me ser enviados por Alexandre Albuquerque,  um amigo que, como eu, ama a natureza e defende o verde de um Recife cada dia mais sujeito a ilhas de calor, por conta do avanço da selva de concreto e das áreas arborizadas cada vez menores.

Já disse e repito, que o Recife é a cidade onde vejo o maior número de toquinhos que já foram árvores um dia pelas ruas. É também, a cidade onde as praças praticamente não possuem irrigação, e que ficam com o gramado totalmente seco a cada verão. O pior é que passada a estação quente do ano, milhares de metros quadrados não se recuperam, porque sem trato, a grama termina morrendo mesmo.  Essa semana encontrei em um consultório médico – onde fui engessar o pé – a arquiteta Janete Freire, que já cuidou dos jardins do Recife. Ela lembrou que os mais importantes tinham jardineiros em caráter permanente, e que as praças contam com poços, para que sejam regdas. E que outras regiões da cidade contavam com aguação diária, com carros pipa. Lembro deles, à noite, ao lado do Canal Derby-Tacaruna, com esguincho forte. Uma cena que a gente não vê mais.

Pois como se não bastassem nossos gramados secos, nossas árvores vivem à mercê da sanha assassina das motosserras. Só aqui na Zona Norte, a gente vê os canteiros vazios, aos montes. É só dar uma voltinha pelos bairros de Poço da Panela, Parnamirim, Casa Forte, Dois Irmãos, Casa Amarela, que vocês vão perceber o que estou dizendo. Um problema tão grave que começa a despertar protestos, como os que se vê nos muros da cidade. “Parem de derrubar árvores”, apelo que tomei emprestado, para protestar contra o assassinato de nossas árvores. Contra esse “genocídio oficial”. Obrigada, Alexandre, por ter denunciado mais essa maldade. “Só ficou o cotoco”, lamentou meu amigo.  “O barulho da motosserra é doloroso”, completou. Infelizmente, mais um, Alexandre.  Semana passada, a Emlurb lançou uma campanha, “Adote uma Árvore”, mas até agora apenas onze foram implantadas e “adotadas”, todas em uma rua só, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Nosso #OxeRecife espera mais adoções.  O #OxeRecife – Blog a serviço do Recife e de sua gente – está catalogando os casos de “genocídio oficial”, para dar um balanço do que foi visto no final do ano. Fiquem atentos ao que se vê nas ruas. E mandem informações.

Leia mais:

Parem de derrubar árvores

Parem de derrubar árvores (1)

Parem de derrubar árvores (2)

Parem de derrubar árvores (3)

Parem de derrubar árvores (4)

Parem de derrubar árvores (5)

Texto: Letícia Lins / #OxeRecife

Foto: @alexandrealbuquerquefotos

Acesse sempre oxerecife.com.br, o Blog a serviço do Recife e de sua gente

Compartilhe

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.