Moradores cuidam da Praça Professor Fleming

Cansados de esperar pela gestão municipal – a quem cabe cuidar de praças, parques e jardins – moradores da Zona Norte resolveram, há algum tempo, arregaçar as mangas e cuidar da Praça Professor Fleming, hoje quase inteiramente cercada por condomínios de classe média alta.  Eles criaram uma associação, cobram mensalidade de R$ 20 de cada colaborador e bancam a conservação dos jardins da Praça, que fica bem pertinho do Parque da Jaqueira.

“Residi antes em um outro bairro, onde a população também cuidava da Praça. Quando vim para cá, já peguei o bonde andando”, afirma o morador Walter Barreto, que na manhã de hoje passeava com seu cachorrinho Rex. “Nós zelamos pela Praça, mas o poder público tem que fazer a parte dele”, afirma. Ele reclama que os tanques da Fleming estão com a água escura, e que as crianças nem mais vêm os peixes que nadam neles. “Um jardineiro só não tem como trocar essa água toda”, diz, apontado para os espelhos d´água da Praça. “Quem tem que fazer isso é a Prefeitura”

Walter elogia zelo dos moradores com a Praça Professor Fleming, mas acha que a prefeitura "tem que fazer a sua parte".
Walter elogia zelo dos moradores com a Praça Professor Fleming. “Mas a prefeitura também  tem que fazer a sua parte”.

Na Praça, por iniciativa dos moradores, foi colocada uma placa, com conselhos para que os frequentadores conservem o “ambiente saudável”. Normas que deveriam ser espontaneamente seguidas pela população. Mas como a nossa cidadania deixa muito a desejar, vamos aos conselhos ali colocados, que deveriam ser seguidos por todos nós, em ruas, parques e praças. “Pense duas vezes antes de pisar nas plantas ou arrancá-las, Elas são vivas”.

Não sei se vocês sabem, mas 30 por cento das mudas plantadas pela Emlurb não crescem, muitas vezes devido a atos de vandalismo.  Outro: “Deixe a praça sempre agradável. Apanhe o cocô do seu cachorrinho”. Tem gente que leva os totós para passear, mas deixa os “carimbos” nas ruas, sem o menor constrangimento. A placa também pede para que se coloque lixo só nas lixeiras,  que não danifiquem os brinquedos e ainda que não se bloqueie as rampas de acesso, deixando-as livres para cadeirantes. Taí, um bom exemplo de cidadania e de zelo com o patrimônio público, que deveria ser praticado por todos nós.

(Fotos: Letícia Lins / #OxeRecife)

 

Compartilhe

Um comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.