Ataque de cachorro na calçada do Palácio dos Manguinhos no Recife

Tenho todo respeito pelo Arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. Até porque ele conseguiu reintegrar a Igreja Católica em Pernambuco, depois da diáspora provocada pelo seu antecessor, Dom José Cardoso Sobrinho. Mas não fica nada bem para uma instituição religiosa, o que está acontecendo na calçada do Palácio dos Manguinhos, onde duas pessoas já foram atacadas pelos cachorros da Arquidiocese. Um dos casos foi parar na polícia, com boletim de ocorrência registrado na Delegacia do Espinheiro.

No dia 11 de outubro, a arquiteta Patrícia Quintela passava na calçada do Palácio, em frente à Casa dos Frios, quando sentiu um puxão na mão esquerda. Ela vinha da Rua da Amizade e pretendia chegar à Rua Amélia. E percebeu que um cachorro a atacava através da grade do local. Ela fez o relato no Facebook. “Ontem fui atacada por um cão de guarda do Palácio dos Manguinhos. Saímos do escritório em torno de 21h30m. Eu e mais dois colegas arquitetos. Estávamos conversando andando pela calçada, quando de repente senti uma força muito forte puxando minha mão”, contou.

“Na hora, gritei sem saber a causa. Mas logo percebi (o que era) quando vi o pastor alemão do outro lado da grade, que tinha sido atacada pelo cachorro. Na hora fiquei em choque, porque gritei para o porteiro, e ele ficou inerte e nem se deu ao trabalho de perguntar o que tinha ocorrido”, acusou. Para Patrícia, o episódio lhe deu a certeza que “vivemos em um mundo muito louco”. Ela indaga: “Qual a necessidade de cães de guarda preparados para matar em um local como aquele?”. Depois, adverte: “Cuidado, meus amigos, o próximo pode ser você. Nem Jesus salva”.

Ao #OxeRecife, Patrícia informou que não havia placa no muro do Palácio dos Manguinhos. Passei lá no feriado, e constatei que foram colocadas três, como as que mostram a foto, na grade do muro. Mas a vítima relata que para quem vem no sentido centro-subúrbio, anda um bom trecho sem saber do “perigo”, com risco de sofrer ataque. Perigo mesmo. Afinal, a precaução deve ser para que a pessoa não entre na área onde está o cão. Mas ser agredida na calçada…. do lado externo da grade – e portanto fora da área vigiada – é um pouco demais. Sinceramente, #OxeRecife. A Arquidiocese ainda não se pronunciou sobre o incidente. Um amigo de Patrícia já havia passado pelo mesmo susto. Mas foi mais rápido e pulou para o meio da rua, para não ser atacado pela fera.

(Foto: Letícia Lins / #OxeRecife)

 

Compartilhe

Um comentário

  1. Se a casa de deus precisa ser vigiada por cachorros que não foram treinados adequadamente, que eu saiba o pastor alemão não mete a cara pro lado de fora para atacar e sim no lado de dentro.
    Mas agora o mais simples é passar pelo lado de dentro no gradil e portões uma tela em que os cães de quatro pernas não possam mais meter o focinho.

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *